capacidade ociosa no processo industrial

Capacidade ociosa e capacidade produtiva: entenda a diferença entre eles

Em um período de crise, como o que estamos enfrentando atualmente, é natural que indústrias precisem fazer ajustes para se alinhar a nova realidade do mercado. Para que esses ajustes sejam efetivos, porém, é necessário que o time de gestão compreenda as diferenças entre capacidade ociosa e produtiva.

Tal cuidado se faz necessário porque esses fatores impactam diretamente a produção da indústria e, por consequência, seus retornos e viabilidade.

Levando esse fato em consideração, nós optamos por criar este conteúdo com orientações a respeito desses fatores. Leia o artigo e descubra as principais características tanto da capacidade ociosa quanto da produtiva e entenda como elas impactam os resultados de sua indústria.

Capacidade ociosa e produtiva, qual a diferença entre elas?

De um modo simples e resumido, nós podemos dizer que a capacidade produtiva representa toda a produção de uma indústria quando opera em pleno potencial. Ou seja, a quantidade de produtos que ela é capaz de produzir, em um determinado período, quando faz uso de todos os recursos que tem a sua disposição.

A capacidade ociosa, porém, representa tudo o que a empresa deixa de produzir, por não usar todo o seu potencial.

Em um primeiro momento, a capacidade ociosa pode aparentar ser um desperdício. Afinal, quando a empresa não implementa todos os seus recursos, parte dos ativos, que receberam investimento, ficam ociosos e deixam de gerar retorno. A questão é que em alguns momentos, quando a demanda está em baixa, simplesmente não faz sentido que uma companhia produza em sua capacidade máxima.

Como calculá-las?

Agora que você sabe a diferença entre capacidade ociosa e produtiva, continue a leitura e descubra como proceder para calculá-las!

Capacidade produtiva

O cálculo da capacidade produtiva não é complexo, mas, para que seja preciso, ele precisa considerar uma série de fatores. São eles os seguintes.

Capacidade de produção instalada

Em primeiro lugar, é necessário verificar o poder total de produção da indústria, isso sem considerar os gastos envolvidos no processo. Para realizar essa tarefa, o profissional precisa apenas multiplicar o número de horas de produção pelo número total de produtos fabricados neste espaço de tempo.

Capacidade de produção disponível

Nessa etapa, o responsável pelo cálculo precisa dividir o tempo usado na fabricação de cada item pela capacidade de produção da máquina que o produziu. Esse processo oferece uma visão mais realista do poder produtivo da indústria.

Capacidade de produção disponível total

É natural que produtos diferentes demandem quantias diferentes de tempo e insumos para serem produzidos. Nesse momento, a capacidade de produção disponível, de todos os produtos fabricados pela indústria, deve ser identificada e somada.

Capacidade de produção efetiva

Durante a produção, a indústria tem diversos gastos relacionados a tempo e recursos. O que ocorre graças a realização de tarefas importantes, como processos de manutenção preventiva.

Nessa etapa do cálculo, esses custos previsíveis devem ser incluídos na conta e subtraídos do valor encontrado anteriormente.

Capacidade de produção realizada

Além dos gastos previsíveis, é comum que a empresa sofra com atrasos e custos inesperados. Como um exemplo, podemos citar falhas em máquinas e equipamentos, e até quedas de energia elétrica.

Esses gastos também devem ser estimados e subtraídos dos resultados anteriores.

Por fim, o valor encontrado no processo anterior deve ser multiplicado por 30. Assim a empresa saberá sua capacidade produtiva total em um mês.

Capacidade ociosa

A identificação da capacidade ociosa é um pouco mais simples. O cálculo exige apenas que o responsável apure todos os gastos fixos da indústria, depois ele precisa subtrair desse valor a capacidade produtiva apurada.

O resultado dessa conta indica a capacidade ociosa da indústria!

O que fazer para aumentar a capacidade produtiva de uma indústria?

Levando em consideração que a capacidade ociosa impede negócios de obter parte dos recursos a que poderiam ter acesso, é natural que gestores tentem identificá-la e eliminá-la. Nesse contexto, algumas práticas podem ser muito úteis. Continue a leitura e veja alguns exemplos!

Monitoramento de ativos

Em primeiro lugar, é interessante que a indústria invista em sistemas de monitoramento de ativos. Isso ocorre porque essa tecnologia oferece um nível de controle mais elevado para gestão, o que abre espaço para que ela oriente processos, como a manutenção de máquinas e equipamentos, de uma forma mais precisa e eficiente.

Peças de reposição e insumos

Outro ponto importante, para que uma indústria opere em seu pleno potencial, é ter acesso aos insumos necessários para sua operação. Ao administrar o armazenamento de matérias-primas de um modo errado, a companhia pode acabar adquirindo uma quantidade baixa demais. De modo que novas compras, que podem ter um custo mais elevado, serão necessárias.

Também é fundamental que a indústria tenha peças de reposição em estoque. Afinal, sem esse recurso, caso uma máquina quebre, ela pode ficar inativa por um longo período, até que a peça seja encomendada, entregue e instalada.

Capacitação de colaboradores

Por fim, o fator humano também é muito importante! Para garantir que os responsáveis pela operação trabalhem em seu pleno potencial, a indústria deve capacitá-los para que eles compreendam todos os recursos que estão a sua disposição. Nesse contexto, políticas que reconheçam e recompensem o bom desempenho também são muito úteis.

Terceirize a manutenção

Se levarmos em consideração a importância de máquinas para a produção de uma indústria, é fácil chegar à conclusão de que a sua operação deve ser mantida constante e eficiente. Para que esse resultado seja alcançado, porém, é importante que serviços de manutenção adequados sejam implementados.

Ao terceirizar a manutenção, a indústria passa a contar com os serviços fornecidos por empresas especializadas, o que tende a torná-los mais rápidos e eficientes. Além disso, ao confiar os cuidados com seu maquinário a um parceiro confiável, a indústria em questão pode concentrar todos os esforços em sua atividade principal, e assim se tornar ainda mais produtiva.

Em tempos de crise, em que a demanda por produtos de todos os tipos tende a cair, o time de gestão precisa saber como calcular a capacidade produtiva e ociosa. Por meio desse conhecimento, ele se torna capaz de mensurar melhor a realidade da indústria, que administra, e assim implementar soluções para garantir que o negócio não tenha prejuízos, e que continue crescendo.

Sua indústria já preocupava com a capacidade ociosa? Como o seu negócio lidou com ela? Deixe um comentário e compartilhe conosco sua experiência!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.