capacidade ociosa

Capacidade ociosa e capacidade produtiva: entenda a diferença entre eles

Em um período de crise, como o que estamos enfrentando atualmente, é natural que indústrias precisem fazer ajustes para se alinhar à nova realidade do mercado. Para que esses ajustes sejam efetivos, porém, é necessário que o time de gestão compreenda as diferenças entre capacidade ociosa e produtiva.

Tal cuidado se faz necessário porque esses fatores impactam diretamente a produção da indústria e, por consequência, seus retornos e viabilidade. Considerando isso, nós optamos por criar este conteúdo com orientações a respeito desses fatores.

Leia o artigo e descubra as principais características tanto da capacidade ociosa quanto da produtiva e entenda como elas impactam os resultados de sua indústria.

Capacidade ociosa e produtiva, qual a diferença entre elas?

De um modo simples e resumido, podemos dizer que a capacidade produtiva representa toda a produção de uma indústria quando opera em pleno potencial. Ou seja, a quantidade de produtos que ela é capaz de produzir, em um determinado período, quando faz uso de todos os recursos que tem à sua disposição.

A capacidade ociosa, porém, representa tudo o que a empresa deixa de produzir, por não usar todo o seu potencial.

Em um primeiro momento, a capacidade ociosa pode aparentar ser um desperdício. Afinal, quando a empresa não implementa todos os seus recursos, parte dos ativos, que receberam investimento, ficam ociosos e deixam de gerar retorno. A questão é que em alguns momentos, quando a demanda está em baixa, simplesmente não faz sentido que uma companhia produza em sua capacidade máxima.

Como calculá-las?

Agora que você sabe a diferença entre capacidade ociosa e produtiva, continue a leitura e descubra como proceder para calculá-las!

Capacidade produtiva

O cálculo da capacidade produtiva não é complexo, mas, para que seja preciso, ele deve considerar uma série de fatores. São eles os seguintes.

Capacidade de produção instalada

Em primeiro lugar, é necessário verificar o poder total de produção da indústria, isso sem considerar os gastos envolvidos no processo. Para realizar essa tarefa, o profissional precisa apenas multiplicar o número de horas de produção pelo número total de produtos fabricados nesse espaço de tempo.

Capacidade de produção disponível

Nessa etapa, o responsável pelo cálculo precisa dividir o tempo usado na fabricação de cada item pela capacidade de produção da máquina que o produziu. Esse processo oferece uma visão mais realista do poder produtivo da indústria.

Capacidade de produção disponível total

É natural que produtos diferentes demandem quantias diferentes de tempo e insumos para serem produzidos. Nesse momento, a capacidade de produção disponível, de todos os produtos fabricados pela indústria, deve ser identificada e somada.

Capacidade de produção efetiva

Durante a produção, a indústria tem diversos gastos relacionados a tempo e recursos. O que ocorre graças a realização de tarefas importantes, como processos de manutenção preventiva.

Nessa etapa do cálculo, esses custos previsíveis devem ser incluídos na conta e subtraídos do valor encontrado anteriormente.

Capacidade de produção realizada

Além dos gastos previsíveis, é comum que a empresa sofra com atrasos e custos inesperados. Como exemplo, podemos citar falhas em máquinas e equipamentos, e até quedas de energia elétrica.

Esses gastos também devem ser estimados e subtraídos dos resultados anteriores. Por fim, o valor encontrado no processo anterior deve ser multiplicado por 30. Assim a empresa saberá sua capacidade produtiva total em um mês.

Capacidade ociosa

A identificação da capacidade ociosa é um pouco mais simples. O cálculo exige apenas que o responsável apure todos os gastos fixos da indústria, depois ele precisa subtrair desse valor a capacidade produtiva apurada.

O resultado dessa conta indica a capacidade ociosa da indústria!

O que fazer para aumentar a capacidade produtiva de uma indústria?

Levando em consideração que a capacidade ociosa impede negócios de obter parte dos recursos a que poderiam ter acesso, é natural que gestores tentem identificá-la e eliminá-la. Nesse contexto, algumas práticas podem ser muito úteis. Continue a leitura e veja alguns exemplos!

Monitoramento de ativos

Em primeiro lugar, é interessante que a indústria invista em sistemas de monitoramento de ativos. Isso ocorre porque essa tecnologia oferece um nível de controle mais elevado para gestão, o que abre espaço para que ela oriente os processos, como a manutenção de máquinas e equipamentos, de uma forma mais precisa e eficiente.

Peças de reposição e insumos

Outro ponto importante, para que uma indústria opere em seu pleno potencial, é ter acesso aos insumos necessários para sua operação. Ao administrar o armazenamento de matérias-primas de um modo errado, a companhia pode adquirir uma quantidade baixa demais. De modo que novas compras, que podem ter um custo mais elevado, serão necessárias.

Também é fundamental que a indústria tenha peças de reposição em estoque. Afinal, sem esse recurso, caso uma máquina quebre, ela pode ficar inativa por um longo período, até que a peça seja encomendada, entregue e instalada.

Capacitação de colaboradores

Por fim, o fator humano também é muito importante! Para garantir que os responsáveis pela operação trabalhem em seu pleno potencial, a indústria deve capacitá-los para que eles compreendam todos os recursos que estão à sua disposição. Nesse contexto, políticas que reconheçam e recompensem o bom desempenho também são muito úteis.

Terceirize a manutenção

Se levarmos em consideração a importância de máquinas para a produção de uma indústria, é fácil chegar à conclusão de que a sua operação deve ser mantida constante e eficiente. Para que esse resultado seja alcançado, porém, é importante que serviços de manutenção adequados sejam implementados.

Ao terceirizar a manutenção, a indústria passa a contar com os serviços fornecidos por empresas especializadas, o que tende a torná-los mais rápidos e eficientes. Além disso, ao confiar os cuidados com seu maquinário a um parceiro confiável, a indústria em questão pode concentrar todos os esforços em sua atividade principal, e assim se tornar ainda mais produtiva.

Tecnologia na capacidade produtiva

Hoje em dia, qualquer tipo de serviço que não conta com a ajuda da tecnologia perde espaço no mercado. Dessa forma, invista em mudanças que possam impactar a capacidade produtiva e alcançar excelentes resultados. Esse tipo de solução torna os processos otimizados ao mesmo tempo em que é possível solucionar suas falhas.

Claro que não existe necessidade de implementar na sua indústria todos os serviços tecnológicos. No entanto, é preciso identificar o que traz resultados personalizados conforme os problemas recorrentes.

Outro ponto interessante está em eliminar ações manuais repetitivas e burocráticas que servem apenas para ocupar os colaboradores, como o preenchimento de documentos. Entenda, a seguir, os principais benefícios de adotar a tecnologia na capacidade produtiva!

Setor financeiro

A forma como a empresa enxerga seu orçamento mudou muito nos últimos tempos por conta de tantas oscilações econômicas que causam reações do mercado. A partir disso, a tecnologia pode otimizar várias etapas e ajudar a tomar decisões com base em melhor custo-benefício.

Outro exemplo bastante interessante está na contratação de um colaborador apenas para fazer o lançamento de notas. Agora, existem inúmeros sistemas que permitem realizar as operações de maneira automática. Além disso, também fica mais simples, de maneira geral, encontrar soluções para a geração de relatórios, conciliações bancárias e controle do fluxo de caixa.

Comunicação da equipe

Um dos fatores que interfere diretamente no máximo da capacidade de produção é a forma como a equipe se comunica entre si. O mais importante está em manter todos os envolvidos em sintonia com o objetivo de cumprir os objetivos traçados inicialmente no planejamento.

Mesmo que você envie um e-mail com instruções, por exemplo, nada garante que todos os membros da equipe vão ler de maneira atenciosa. Com isso, é muito importante encontrar um sistema otimizado em que os responsáveis por cada área possam acessar em tempo real. Essa medida cria uma operação mais dinâmica que não permite erros por conta de uma informação que não conseguiu chegar a tempo.

Outra questão muito importante é permitir que os colaboradores estejam bem-alinhados com as tecnologias implementadas. Use ao máximo os chats, as mensagens instantâneas, as videoconferências e o compartilhamento em nuvem. Com isso, fica mais simples poupar tempo e recurso na medida certa sem comprometer a qualidade do serviço oferecido em nenhum momento.

Planejamento bem-elaborado

A capacidade produtiva depende também de um planejamento bem-elaborado e de acordo com metas reais baseadas no seu mercado de atuação. Um bom gestor, em uma situação como essa, deve basear suas decisões por meio de dados. O mais importante é que há várias questões entre o que é levado em consideração na hora de montar o direcionamento do trabalho.

De maneira geral, esse tipo de coleta acontece por meio de feedbacks de clientes e colaboradores, pesquisas relacionadas à área de atuação, cadastros nos atendimentos ou falhas recorrentes. Com a ajuda de um sistema automatizado, aqui, é possível organizar todas essas informações para compreender como tirar as soluções do papel enquanto incluí as mudanças no dia a dia das operações.

Com tudo planejado de maneira minuciosa e dentro do que a empresa precisa para aumentar o resultado positivo, esse tipo de planejamento ainda reduz de maneira significativa a necessidade de repetir tarefas que não contribuem diretamente para o crescimento do negócio. Em função disso, os colaboradores e gestores podem consertar os esforços de cada colaborador onde realmente existem chances de contribuir com suas capacitações.

Em tempos de crise, em que a demanda por produtos de todos os tipos tende a cair, o time de gestão precisa saber como calcular a capacidade ociosa e produtiva. Por meio desse conhecimento, ele se torna capaz de mensurar melhor a realidade da indústria, que administra, e assim implementar soluções para garantir que o negócio não tenha prejuízos, e que continue crescendo.

Sua indústria já preocupa com a capacidade ociosa? Como o seu negócio lidou com ela? Então, curta a nossa página no Facebook e fique por dentro!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.