Uma lupa, uma calculadora e papéis com a intenção de ilustrar o CAPEX.

O que é CAPEX, sua importância e a diferença do OPEX?

A gestão de negócios exige que os gestores entendam sobre o funcionamento da operação e que tenham conhecimento sobre termos específicos utilizados nesse universo. Isso inclui o CAPEX, ou Gastos com Capital, que é usado para discriminar os investimentos feitos na empresa para comprar ou melhorar ativos fundamentais para sua rotina, principalmente quando o tema é controle de qualidade industrial.

Porém, além de entender bem sua aplicação, é preciso diferenciá-lo do OPEX. Na teoria são bem parecidos, mas tem uma finalidade muito distinta na hora de controlar as finanças de uma empresa. A ideia desse segundo termo é comportar os custos operacionais rotineiros para proporcionar uma análise mais acertada e direta sobre o balanço econômico na indústria 4.0.

Então, quer entender melhor sobre o tema? Continue a leitura!

O que é CAPEX?

CAPEX (Capital Expenditure) nada mais é que os custos com melhorias, compras ou manutenção de coisas grandes e duráveis, como investimentos em estruturas físicas, tecnologias e até maquinário utilizado na produção. Também chamado de Despesas de Capital ou Investimento em Bens de Capital, ele inclui todos os tipos de investimento que uma pessoa jurídica faz para consolidar ou, até mesmo, expandir seu potencial.

Ao contrário dos gastos operacionais, que trataremos adiante, a classificação de custos como CAPEX permite que os gestores entendam quais são os ativos principais que consomem recursos e como utilizar melhor esse dinheiro. Na prática, compreendê-lo confere aos decisores maior poder de investimento e, consequentemente, aumento do lucro.

Na contabilidade, uma despesa é considerada um gasto de capital quando o ativo que foi recém-adquirido começa a apresentar as suas despesas com depreciação e amortização. Isso acontece porque, segundo as normas de contabilidade, toda empresa deve descontar os seus custos fixos com depreciação e amortização durante a vida útil do ativo.

Sendo assim, é essencial que o investidor saiba que empresas intensivas em investimento precisam melhor analisadas, já que investem antes de ter retorno. Por outro lado, essa maior necessidade de capital pode ser uma barreira de entrada, que impede novos entrantes, melhorando a perspectiva da empresa

Qual a importância do CAPEX na manutenção da indústria?

Existem múltiplos fatores que fazem com que o CAPEX seja fundamental para a saúde da indústria. Vamos listar alguns deles para que você consiga uma visualização mais clara.

1. Investimento em ativos de longo prazo

Um CAPEX bem-definido significa mais flexibilidade para fazer investimentos de longo prazo para a indústria. Isso pode incluir a aquisição de máquinas avançadas, a construção de novas instalações ou a atualização de infraestruturas existentes, por exemplo.

2. Medição e aumento da produtividade

CAPEX é imprescindível para garantir a eficiência e a produtividade dos equipamentos e instalações. Portanto, é indispensável que a empresa consiga medir detalhadamente cada um desses índices. Pois assim, os dados serão cruzados com a capacidade e os custos de produção a fim de identificar se os investimentos realmente têm trazido benefícios.

3. Redução de custos

A indústria é um segmento que opera sempre nos mais altos níveis de desempenho, o que exige que os custos estejam sempre no patamar mais baixo possível, mas sem perder a qualidade, é claro. Nesse contexto, o CAPEX é empregado para determinar o estado dos ativos em termos de manutenção, necessidade de compra e até expansão operacional, evitando pausas no trabalho que geram prejuízos imensuráveis.

4. Visão sobre o ciclo de vida do ativo

O controle do CAPEX permite mensurar com mais precisão o ciclo de vida daquele ativo, incluindo a possibilidade de comercialização e as necessidades de aumento do investimento para obter os melhores recursos.

5. Conformidade com os padrões da indústria 4.0

A tecnologia da informação já faz parte de todas as esferas da sociedade, e a industrial se beneficia bastante disso. Então ter um CAPEX devidamente planejado e gerenciado permite que indústrias invistam em softwares e outros recursos para se adequar às novas necessidades trazidas pela revolução digital, aumentando seus diferenciais competitivos.

Quais as diferenças entre CAPEX e OPEX?

O termo OPEX (Operational Expenditures) representa as despesas do dia a dia da empresa necessárias para manter as operações funcionando. São custos relacionados a salários, aluguéis, contas de energia, materiais de escritório, marketing, entre outros.

Diferentemente do CAPEX, que envolve a compra de ativos duráveis, o OPEX está relacionado aos custos operacionais que são consumidos no curto prazo. Essas despesas são necessárias para a continuidade das atividades da empresa e não estão diretamente ligadas ao crescimento e à expansão do negócio.

Os impactos na produtividade da indústria

O primeiro e mais notável impacto do CAPEX e do OPEX na indústria é a capacidade de aumentar a produtividade. Afinal, o primeiro termo está diretamente relacionado à aquisição de ativos que podem aumentar a capacidade produtiva de uma indústria, enquanto o segundo mensura os custos operacionais como um todo. Então, quando um gestor consegue analisar e definir quais os pontos que devem ser cortados ou incentivados, ele está, pragmaticamente, alterando o índice de produtividade geral dos setores afetados.

Pense em um produto que foi lançado recentemente. Ele provavelmente exigiu algum investimento em compra de materiais, maquinário, treinamento, marketing e outros recursos, como estoque e logística. Todas essas esferas exigem aplicações CAPEX, mas também refletem o OPEX de um negócio, que ficará mais alto até que o know how de produção esteja consolidado.

Contudo, quando um gestor consegue identificar etapas que podem ser modificadas a fim de gerar mais eficiência na produção, ele consegue reduzir o OPEX necessário para obter o mesmo resultado e a mesma qualidade na produção. Além disso, se um maquinário, galpão ou treinamento (adquiridos por meio do CAPEX) influenciar positivamente nos custos operacionais, ele terá ainda mais sucesso em otimizar as despesas do dia a dia, ainda que de outras linhas de produto.

Portanto, é possível medir e ajustar toda a produtividade a partir da análise desses fatores, o que pode resultar em maior lucratividade ou simplesmente na redução de custos, por exemplo.

Como calcular o CAPEX?

O cálculo do CAPEX envolve a diferença da variação do ativo imobilizado da empresa do período atual e do anterior somado à depreciação dos ativos. Pareceu confuso? Veja a fórmula na íntegra:

CAPEX = Investimento Inicial – (Fluxo de Caixa Líquido Anual x Vida Útil)

Imagine que uma empresa de autopeças precisa aumentar sua capacidade de produção de parafusos automotivos em 20%. Para isso, decide adquirir uma nova máquina automatizada de rosqueamento e corte. Então, ela define os números abaixo:

  • Preço da máquina: R$ 50.000,00.
  • Despesas com frete e instalação: R$ 10.000,00.
  • Treinamento da equipe: R$ 5.000,00.
  • Vida útil da máquina: 5 anos.
  • Aumento da receita anual: R$ 200.000,00.
  • Redução de custos anuais: R$ 50.000,00.

Nesse contexto, o resultado seria:

CAPEX = R$ 65.000,00 – (R$ 250.000,00 x 5 anos)

CAPEX = R$ 65.000,00 – R$ 1.250.000,00

CAPEX = R$ -1.185.000,00

O primeiro valor (65 mil) inclui o preço da máquina, o frete e o treinamento da equipe — ou seja, os custos iniciais. Na sequência, somamos o aumento da receita com a redução de custos que o investimento gera e multiplicamos pela quantidade de anos úteis que ele terá. Por fim, subtraímos isso do investimento inicial, chegando ao CAPEX. Isso significa, portanto, que o retorno sobre esse investimento é de R$ -1.185.000,00.

Como analisar a necessidade da aplicação de CAPEX em projetos de manutenção?

O primeiro passo é estabelecer se é necessário reparar, melhorar ou substituir um ativo, independentemente do tamanho e do impacto na operação. Em seguida, você deve estabelecer qual o orçamento disponível e o retorno esperado para aquela manutenção. Isso significa colocar na ponta do lápis se vale a pena realmente corrigir os pontos falhos ou se a troca completa faria mais sentido.

Caso um ativo já esteja no fim do seu ciclo de vida, dificilmente a manutenção fará sentido, apenas em casos nos quais não haverá custo (exigindo mão de obra do quadro de funcionários) ou quando o ativo ainda é novo. De toda forma, será preciso atribuir esses custos à fórmula que mostramos acima, o que provavelmente reduzirá os benefícios gerados pelo investimento.

Tudo isso pode ser feito com o uso de ferramentas como Análise de Falhas e Efeito (FMEA) e Análise de Risco e Operabilidade (HAZOP) para identificar e avaliar riscos. Também é possível fazer modelos de simulação e contar com a ajuda de especialistas nesse tipo de cenário. Dessa forma, você terá menos chances de cometer erros e conseguirá maximizar os benefícios dos investimentos.

Como destacado ao longo do texto, a utilização do CAPEX como uma ferramenta crucial requer uma base sólida em dados do negócio. Contudo, quando as empresas realizam essa análise corretamente, podem obter resultados significativos em termos financeiros e operacionais, inclusive no próprio OPEX.

Se você tem interesse em melhorar a gestão do seu negócio, não deixe de aprender também sobre o que é PDCA com o nosso artigo especial sobre o tema.

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Artigos relacionados