7 erros no estoque industrial e como evitá-los

7 erros no estoque industrial e como evitá-los

Lidar com as demandas do estoque industrial de maneira correta é uma das formas que auxilia a alcançar uma gestão de qualidade. No entanto esse é um grande desafio para o gestor, pois tudo precisa ser milimetricamente alinhado para evitar perdas significativas e trazer informações relevantes, capazes de impulsionar estratégias em todos os setores.

Além disso, ter total controle do estoque permite otimizar o espaço, a dinâmica logística e conquistar melhores taxas com os fornecedores. Se você ficou curioso sobre o assunto e deseja identificar quais são os erros decisivos na gestão, acompanhe a leitura do texto a seguir.

1. Esquecer de realizar planejamento

Pode até parecer óbvio em um primeiro momento, mas muitas empresas deixam o planejamento de lado e controlam o estoque industrial com base em achismos e demandas que se apresentam. No entanto, para que tudo corra conforme o esperado, o estoque industrial exige um equilíbrio minuciosamente planejado.

A classificação de várias variáveis deve ser feita no planejamento para que exista um gerenciamento de acordo com as necessidades da empresa em longo prazo. Vale ressaltar que a identificação dos itens deve ser realizada antes mesmo do armazenamento. Com isso, cada um dos produtos que chega ao estoque precisa receber códigos de sua categoria correspondente.

Essa medida faz toda a diferença no momento de criar um planejamento alinhado com o sistema interno, gerenciar o volume do que entra e sai, localizar os itens de maneira mais simples, deixá-los sempre prontos para eventuais necessidades e evitar perdas que causem prejuízos significativos.

2. Fazer compras de reposição sem programação

A partir de um planejamento bem elaborado, os gestores responsáveis pelo estoque conseguem coletar dados confiáveis em relação ao fluxo para determinar com mais exatidão o que precisa ser comprado e as reposições. Isso é muito importante na questão do desenvolvimento de estratégias focadas em crescimento.

Sem contar que a falta de antecipação à demanda também é um problema frequente quando se trata do estoque na indústria. O motivo é que se torna indispensável entender quais itens devem ser produzidos em maior número durante determinado período e quais produções precisam atuar com itens reduzidos.

Como resultado desse tipo de gerenciamento, conhecer as prioridades das demandas faz com que você não corra riscos de ficar sem produtos essenciais e descumprir os prazos acordados na negociação com clientes.

3. Trabalhar com informações desatualizadas

Se existe uma prioridade ao lidar com estoque industrial é manter as informações sempre atualizadas. Afinal de contas, procrastinar as anotações conforme as movimentações pode causar furos no estoque, prejudicar a comunicação interna e até mesmo trazer problemas para a imagem da empresa no mercado.

Isso tudo vai muito além de conhecer os itens do estoque, os suprimentos necessários e o código do produto. Aqui entram também a data da compra, o preço e a descrição. É importante também ter um histórico de imprevistos e falhas relacionadas anteriormente para criar um plano de atuação eficiente focado em soluções personalizadas.

4. Não ter estoque de segurança

O estoque de segurança funciona como uma espécie de plano B contra imprevistos e precisa ser gerenciado com eficiência. Diferentemente do estoque de fluxo tradicional, aqui é preciso reconhecer quais os potenciais problemas podem comprometer os resultados da operação.

Ou seja, usar os dados atualizados e o histórico da operação como base faz toda a diferença para criar estratégicas alinhadas com os principais desafios. Essa ação incluída no planejamento traz bons resultados, especialmente, em negociações com novos fornecedores que precisam conhecer o sistema de qualidade de sua empresa.

Com a alta competitividade na indústria, qualquer falha pode ser determinante para estremecer um relacionamento. Dessa forma, combater em todas as frentes as possíveis paradas gerais na produção com foco em planos específicos se transforma em um diferencial que conta muitos pontos.

5. Ignorar a necessidade de integrar sistemas

Com a necessidade de digitalizar cada vez mais os processos na indústria, não integrar os sistemas é um dos principais erros no estoque industrial. Dentro deste contexto, é indispensável se apropriar de tendências tecnológicas que permitam compartilhar informações em tempo real entre a logística e a área comercial.

Utilize uma opção que alinhe os dados do estoque de acordo com as necessidades de cada setor para que as consultas possam ser feitas estrategicamente. Assim, todos os setores conseguem dar andamento em suas atividades conforme as informações atualizadas em tempo real no inventário de estoque.

Sem contar que ao adotar essas ações para maximizar a performance de maneira integrada, os índices de falhas humanas reduzem consideravelmente, pois muitas das atividades repetitivas e burocráticas são feitas de maneira automatizada e isso aumenta a produtividade com foco em eliminar ruídos.

6. Não dar atenção às métricas

O controle de estoque industrial reflete também na mensuração de métricas. Ao contar com esse tipo de sistema e avaliar dados confiáveis, fica mais simples saber quais produtos são os mais procurados e quais têm maior saída de estoque, o índice de perdas, os produtos parados e o tempo de venda de cada item em épocas em que determinados artigos têm maior giro.

Essas métricas vão além do planejamento inicial de gerenciamento de estoque e alcançam também as estratégias de vendas. Tudo está integrado com o que acontece no estoque, inclusive, a possibilidade de trabalhar com redução de custos sem perder em qualidade. Outra vantagem das métricas é que com base nas informações levantadas, é possível interromper também processos que não são eficientes antes que se transformem em problemas.

7. Fazer inventários apenas pontualmente

Os inventários na gestão do estoque precisam ser constantes. Trata-se do processo de contar os itens do estoque e verificar se está tudo de acordo com as entradas e saídas. É uma maneira extremamente eficiente de evitar perder e ter um olhar estratégico em relação às dinâmicas logísticas de compra e venda e os suprimentos.

Para diminuir os intervalos entre os inventários, a tecnologia pode ser uma excelente aliada a automatizar ao máximo esse processo com o levantamento de informações em sistemas digitais. Em função disso, além de aumentar a frequência da realização, os erros por falha humana na contagem se tornam praticamente nulos.

Saber gerenciar o estoque industrial é um diferencial para as empresas que desejam ser mais competitivas e entregar um serviço de excelência. Essas medidas, quando aplicadas na prática, evidenciam a importância de ter o estoque como pilar das decisões e estratégias de diversas áreas para entender o funcionamento do negócio, seus principais gargalos e pontos fortes.

Gostou das informações do artigo? Então, leia também sobre a importância da gestão de estoques de suprimentos.

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.