O que é gestão de ativos industriais

O que é a gestão de ativos e por que adotar na sua indústria

De forma resumida, Gestão de ativos industriais é uma atividade coordenada em que há a correta gestão de todo o ciclo de vida de um ativo industrial, desde a sua aquisição, até seu descarte. 

Monitorar todos os processos industriais é, sem sombra de dúvidas, fundamental quando o assunto é a eficiência do negócio. Nesse sentido, a gestão de ativos entra como um mecanismo para garantir que a empresa funcione de maneira estratégica e rentável.

Isto é, todo o ciclo de vida de um ativo industrial. Envolvendo desde o momento da aquisição até as etapas finais de descarte. Com isso, podemos identificar ganhos significativos para o negócio.

Mas afinal de contas, o que realmente significa a gestão de ativos e como podemos colocá-la em prática? Essa é uma dúvida que vem perpetuando líderes do setor, que são cada vez mais cobrados pelos resultados e os desafios do mercado.

Se você faz parte dessa lista de profissionais, confira mais sobre o artigo. Aqui explicaremos os principais pontos acerca do assunto e como desenvolver de uma vez por todas, os eixos estratégicos do seu negócio.

O que é a gestão de ativos na indústria?

A ideia da criação de uma área voltada para os ativos industriais é a partir do momento que entendemos que todos os setores estão integrados. Para que um negócio possa operar de maneira estratégica, enfrentando os desafios do mercado — como riscos e oportunidades — e otimizar seus respectivos custos.

Ou seja, aqui mapearemos todos os seus ativos e entendê-los como eles impactam diretamente no desempenho do negócio. A aquisição de um equipamento, por exemplo, deve ser significativa. Em outras palavras, a compra não deve gerar desequilíbrios no fluxo de caixa.

Ao mesmo tempo, a entrada desse novo ativo deve gerar relevância para sua produção, agregando bons resultados que possam impactar no negócio. Todavia, a compra não será feita sem um bom planejamento, entendendo quais são os possíveis riscos com a mesma.

E é isso que podemos entender a partir da análise da A norma técnica ISO 55.000, que trabalha a relação entre sistemas de gestão e ativos de um empreendimento. A partir dela, somos orientados na metodologia, análises e entendimento do impacto financeiro que aqueles ativos estão interligados.

Qual a importância de colocá-la em prática?

Mas afinal de contas, como podemos avaliar os benefícios que ela pode gerar? Antes de mais nada, é preciso entender que qualquer tipo de controle de recursos envolve etapas de planejamento e visão ampliada sobre o negócio como um todo.

E quando o assunto é a gestão de ativos, podemos entender que o primeiro impacto expressivo é ligado justamente com as paradas corretivas. Sabemos que esse tipo de prática de manutenção tem muito impacto, seja em custos, em produtividade e, até mesmo, em qualidade.

Entretanto, podemos ir muito além de apenas impactos internos ao negócio. Hoje, as indústrias são empresas cada vez mais cobradas para terem ciência e responsabilidade com o impacto gerado em seu entorno.

Isto é, um descarte de um equipamento, de maneira correta, pode gerar riscos ambientais a população, além dos próprios colaboradores internos. Sendo assim, podemos entender que a reputação do negócio, bem como o impacto das vendas ligados a isso, está claramente ligado à gestão de ativos.

Por esse motivo, analisamos todo o ciclo, que deverá considerar do momento que ele entra na empresa, até a hora de encerrar as atividades com ele. Dessa forma, a preocupação com impacto social, ambiente e na saúde, também deve ser avaliado durante as fases de planejamento que antecedem a compra dos equipamentos.

Além disso, devemos entender que a gestão de ativos visa otimizar a aplicação deles, garantindo que eles sejam preservados e se comprometam com a qualidade do produto final. Por esse motivo, a manutenção de máquinas está diretamente ligada a essa área de controle industrial.

Como adotar a gestão de ativos na indústria?

Mas então, afinal de contas, como podemos colocar os processos ligados à gestão de ativos em prática? Pode até parecer algo bem simples, mas esse é o grande erro dos gestores industriais, que ignoram todos os aspectos ligados a essa área. Sabendo da importância disso, separamos alguns passos importantes a serem seguidos:

Realizar o inventário

Antes de mais nada, é preciso conhecer quais são seus ativos atuais. Isso, será primordial para entender seu funcionamento, identificar possíveis substituições e preparar sua gestão orçamentária para execução de tal.

Entretanto, podemos nesse momento, além de identificar a realização de manutenções preditivas, a necessidade de corretivas, o que pode gerar grandes custos e prejuízos. Com isso, o gestor de ativos terá a visão de quais serão os próximos passos a serem tomados em relação aos ativos.

Identificar as métricas de desempenho

Quando falamos sobre gestão de alguma área, é fato que ela deve ser embasada a dados. Assim, conseguimos identificar os insights suficientes para as tomadas de decisões precisas.

Por esse motivo, devemos considerar diferentes tipos de KPIs para conseguir avaliar seus ativos. Alguns exemplos são os indicadores de manutenção, de custo, de produtividade, de qualidade, entre outros.

Adotar ferramentas de monitoramento de ativos

É preciso que a gestão de ativos seja eficiente e para que isso aconteça, devemos além dos indicadores, identificar soluções que visam otimizar esse trabalho. A partir de determinadas ferramentas de monitoramento de ativos, podemos detectar danos precoces e antecipar problemas que podem impactar em diferentes momentos do ciclo produtivo.

Mas esse tipo de investimento não fica limitado apenas à manutenção, apesar da sua relevância. Aqui, vamos entender o desempenho e o impacto que máquinas e outros equipamentos estão gerando. Por exemplo, uma produção com uma maior demanda e ativos obsoletos, podem ser uma fricção para conseguir atender esse mercado.

No mercado, bons fornecedores oferecem soluções customizadas, como a Acoplast Brasil, que usa sistemas a partir de estruturas elétricas, tecnologia wireless ou utilização conjunta dos elementos de campo. Assim, toda a performance pode ser acompanhada em tempo real.

Em resumo, a prática da gestão de ativos é fundamental para empresas que busquem se tornar cada vez mais estratégicas. Qualquer tomada de decisão a ser tomada, deve passar por um bom planejamento e isso inclui a compra de novos ativos, independentemente do valor agregado a eles. Com a leitura deste artigo, certamente você está pronto para colocar isso em prática agora mesmo!

Aproveite para compartilhar esse material nas suas redes sociais e permita que colegas da sua área possam entender a importância desse assunto, assim como você!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 1

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.