Os impactos da LGPD na Indústria 4.0

Entenda melhor quais os impactos da LGPD na indústria 4.0

A LGPD organiza e orienta de forma clara, a importância que as empresas devem dar aos dados das pessoas, na indústria, dentro da Cadeia de Valor, associado à digitalização. Para cumprir essas orientações, no entanto, é necessário aplicar todas os conceitos da Lei e incorporar boas práticas  para não ter dados extraviados.

Vivemos em um período em que os dados, principalmente os sensíveis, são de grande importância para indústrias. Nesse cenário, é vital que os gestores conheçam os impactos da LGPD na indústria 4.0.

Isso ocorre porque, segundo a nova regulamentação para o uso e tratamento de informações, a responsabilidade pela proteção dos dados fica por conta da empresa que está fazendo uso deles. Isso significa que, em caso de vazamentos, a indústria pode ser penalizada com multas.

Uma vez que hoje em dia os dados são úteis para todos os negócios, resolvemos elaborar este conteúdo para ajudar você a se preparar para os impactos da LGPD na indústria 4.0. Continue a leitura e tenha acesso a este conhecimento!

O que é LGPD?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), nada mais é do que um conjunto de normas, elaboradas pelo Congresso Nacional do Brasil, para proteger a integridade de dados pessoais e a privacidade de seus donos.

Promulgada em Agosto de 2018, a nova lei começou a vigorar em 2020. Entre seus temas mais relevantes para as indústrias, podemos citar os seguintes pontos:

  • as indústrias se tornam responsáveis por garantir a segurança dos dados apurados por elas e podem ser penalizadas em caso de vazamento;
  • as indústrias devem informar aos indivíduos quais de seus dados estão sendo armazenados e explicar a eles de modo eles serão utilizados;
  • as indústrias precisam deletar completamente os dados pessoais de um indivíduo sempre que essa ação for solicitada por ele.

Embora a Lei Geral de Proteção de Dados crie exigências para as empresas, ela também oferece orientações mais claras, o que acarreta mais segurança jurídica. Nesse contexto, as indústrias que souberem se adaptar à regulamentação tendem a fazer um uso mais inteligente de dados, o que pode ser encarado como um diferencial competitivo.

Qual a relação entre a LGPD e a indústria 4.0?

Quando pensamos no conceito de indústria 4.0, é natural que tecnologias como a inteligência artificial e a automação de processos logo venham à nossa mente. A grande questão é que este processo de atualização vai muito além e envolve o tratamento de dados estratégicos.

Afinal, para que uma solução em inteligência seja capaz de operar, ela precisa ser alimentada com informações precisas e relevantes. Do mesmo modo, embora a automação de processos seja uma excelente ferramenta para que máquinas operem de modo autônomo, a tecnologia também pode ser usada em outras tarefas, como na automação de processos operacionais de Recursos Humanos.

Além disso, é importante levar em consideração que a indústria precisa ter um banco de dados para administrar as informações relacionadas a seus clientes e fornecedores. Analisando tais informações, uma inteligência artificial é capaz de identificar uma série de padrões úteis que podem ser usados até mesmo para orientar sua produção e seu calendário de compras. Benefícios que fazem parte da chamada indústria 4.0.

Mas, segundo a Lei Geral de Proteção de Dados, a indústria precisa investir em soluções para garantir a proteção desses dados. Levando esses fatos em consideração, é fácil perceber como a LGPD e a Indústria 4.0 caminham lado a lado.

Como as indústrias podem integrar a LGPD à Indústria 4.0?

Agora que você entende os impactos da LGPD na indústria 4.0, continue a leitura e descubra como proceder para integrar, de maneira mais eficiente, a Lei Geral de Proteção de Dados às inovações da 4° revolução industrial!

Investimento em tecnologia

Duas das exigências mais marcantes da LGPD, para as indústrias, são a proteção de dados e a obrigatoriedade de exclusão de informações sempre que essa ação for solicitada pelos donos dos dados.

Para cumprir tais exigências, é necessário que a indústria invista em novas tecnologias. Levando em consideração as demandas de segurança, a companhia precisa investir em um servidor próprio com medidas de segurança como firewall e sistemas de antivírus.

Nesse caso, contar com serviços de armazenamento e computação em nuvem pode ser uma solução mais acessível e escalável. Isso ocorre porque, ao contratar esse tipo de serviço, a indústria pode armazenar seus dados em um servidor administrado por uma empresa especialista na proteção de dados.

Além disso, o serviço pode ser contratado de maneira escalonada, de modo que a empresa só paga pelo poder computacional e pelo espaço de armazenamento que de fato está utilizando.

Por meio dessa tecnologia, até mesmo a exclusão de dados pessoais pode ser feita de maneira mais simples e intuitiva.

Criação de protocolos de segurança

Embora o armazenamento em nuvem de fato tenha o potencial de otimizar a segurança de informações em uma indústria, ao mesmo tempo que reduz os seus custos, ele, por si só, não é capaz de garantir a integridade dos dados.

Cabe a cada indústria criar protocolos de segurança que devem ser seguidos para garantir a proteção de informações. Entre as normas que estes protocolos devem conter, podemos citar as seguintes como exemplos:

  • orientações para a criação de senhas fortes;
  • orientações a respeito de redes seguras para se acessar os bancos de dados da indústria;
  • a criação de uma hierarquia para limitar o acesso de informações de acordo com as funções do colaborador e seu nível de confiabilidade.

Capacitação de colaboradores

Por fim, é importante que a indústria prepare seus colaboradores para lidar com as exigências da Lei Geral de Proteção de Dados. Afinal, pouco adianta o investimento em tecnologia, e na criação de protocolos de segurança, se os funcionários da companhia não seguirem as normas de segurança.

Além de conscientizar os colaboradores a respeito da importância da proteção de dados, é interessante que a indústria forneça a eles conhecimentos para que eles desenvolvam habilidades para lidar com as demandas da indústria 4.0.

Uma vez que colaboradores mais preparados são mais produtivos, o desenvolvimento dessas soft skills pode até mesmo otimizar o desempenho da indústria.

A Lei Geral de Proteção de Dados vai de encontro ao desejo dos indivíduos de terem a sua privacidade e segurança preservadas. Por essa razão, ela tem grande aceitação e tende a se tornar cada vez mais aplicada.

Levando esse fato em consideração, é indispensável que as empresas estejam preparadas para atender os seus requisitos.

Agora que você conhece os impactos da LGPD na indústria 4.0, que tal aprender mais a respeito do armazenamento em nuvem para indústrias e sobre o modo como essa tecnologia pode beneficiar a segurança de dados? Leia este artigo e acesse conhecimento!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 1

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.