Internet das Coisas Industrial

Internet das Coisas Industrial: entenda a sua importância

A Internet das Coisas (IoT) é caracterizada como uma rede de máquinas e dispositivos interconectados que trocam informações entre si. Já a Internet das Coisas Industrial refere-se à extensão do uso dessa tecnologia na indústria, com o objetivo de tornar as linhas de produção mais eficientes e autônomas.

O setor industrial constantemente está exposto a grandes transformações. Desde a primeira revolução, produções inteiras passam por essas mudanças que revolucionam e inovam todos os seus modelos produtivos. Nesse sentido, na atual fase, podemos destacar a Internet das Coisas Industrial como um exemplo da Era da Informação.

Quer saber mais? Vamos falar neste artigo sobre como a IoT é importante na indústria e como lidar com essas mudanças. Acompanhe!

O que é Internet das Coisas Industrial (IIoT)?

Com a Quarta Revolução Industrial, tecnologias inteligentes fazem com que a manufatura ganhe não somente independência do ser humano, mas, também, eficiência em seus processos.

Você já ouviu falar sobre essa inovação tecnológica? Caso não, saiba que é um importante passo dado que revoluciona toda a cadeia produtiva. E o mais importante de tudo: há conectividade entre processos, pessoas, insumos, logística e todos os outros pilares da produção.

Basicamente, aqui resumimos todas as formas de Big data, aprendizado de máquina e comunicação entre dispositivos e maquinários por meio do uso da tecnologia da Internet das Coisas no ambiente industrial.

Seu principal foco é conseguir executar processos produtivos com efetividade. Em outras palavras, a indústria passa a operacionalizar com eficiência e confiabilidade.

Aplicação da IIoT

Vamos à aplicação da IIoT — sigla de Industrial Internet of Things — por meio de softwares, sensores ambientes e, até mesmo, complexos robôs que executam tarefas que, até então, eram realizadas por seres humanos. Dessa forma, temos uma produção enxuta, precisa, de qualidade e a menor custo.

A leitura massiva de dados faz com que máquinas, dispositivos e outros equipamentos conectados à internet ganhem inteligência para operacionalizar. Portanto, o uso desse recurso digitaliza, automatiza, gera e analisa dados, assim como interconecta diferentes processos produtivos.

Ainda, sabemos que não apenas a produção é importante, mas todos os suprimentos são fundamentais para garantir a efetividade da indústria. Por exemplo, a matéria-prima deve estar sempre à disposição. Além disso, é preciso entender a demanda do mercado, a logística deve estar alinhada a prazos, a manutenção precisa estar em dia etc.

Todos os pontos citados acima, podem ser otimizados com o uso da IIoT. Portanto, podemos resumir que a ferramenta é uma excelente solução para o setor industrial.

Qual a diferença entre IIoT e IoT?

Vale ressaltar que existe uma certa diferença entre IIoT e IoT, ou, simplesmente, Internet of Things. A primeira é uma subcategoria da segunda, que, por sua vez, é algo mais geral e com foco diretamente no cliente final.

Por esse motivo, encontramos a IoT com frequência em residências ou até mesmo nos smartphones que nos acompanham diariamente.

Já a IIoT é um eixo voltado exclusivamente para o setor industrial. Mesmo que o objetivo seja entregar um produto de qualidade, produzido a menor custo e em menos tempo para os consumidores, todas as aplicações são voltadas para a melhoria da manufatura industrial.

Como funciona a Internet das Coisas Industrial?

Antes de mais nada, máquinas industriais precisam estar conectadas à internet. Essa é a premissa básica para que possamos colocar a IIoT em prática. Por meio dela, faremos a ponte entre máquinas e informações.

Assim, com a conectividade — que pode ser rede cabeada, WiFi, 3G, 4G ou 5G —, o dispositivo IIoT fará uma instrução a partir da inteligência gerada com a leitura dos dados. Essa instrução é basicamente uma função, que pode ser: MEDIRDETECTARCONTARMAPEAR ou MENSURAR.

Com isso, enviamos essas informações para um sistema ou plataforma, que criam uma análise que servirá para tomada de decisões dos gestores industriais. O sistema pode ser de um servidor interno ou de fora da indústria.

Quais são as aplicações da IIoT?

A partir da aplicação da IIoT, indústrias estão se renovando e tornando-se mais estratégicas em diferentes níveis: produtividade, eficiência e desempenho operacional e financeiro.

Existe uma série de aplicações no mercado industrial. Como adiantamos, ela pode ser vista em pequenos sensores acoplados em máquinas que rastreiam a sua performance e identificam possíveis falhas, por exemplo. Mas também encontramos a robotização, que opera em larga escala e em altíssima qualidade, em curto prazo.

Veja alguns exemplos de aplicações mais frequentes e que estão revolucionando a era industrial 4.0.

Evitar acidentes

Uma solução voltada para medir temperatura e umidade é uma das melhores aplicações que conseguimos enxergar com a IIoT. Sensores de ambiente ajudam a reconhecer quando uma máquina está atuando além dos padrões recomendados.

Isso ajuda a mapear, em qualquer horário, possíveis acidentes na indústria. Isto é, mesmo que gestores industriais não estejam presentes no momento.

Acompanhar a produtividade

A melhor maneira de tomar decisões é com o suporte de relatórios extremamente detalhados. E é a partir dos dados obtidos com o acompanhamento da produtividade que eles são feitos. Nesse sentido, podemos definir a necessidade de atualizar inputs para atender a uma demanda, definir novos caminhos para um projeto, entre outros.

Ser assertivo nas decisões é fundamental no momento atual. Afinal, estamos em um cenário em que precisamos, mais do que nunca, ser mais estratégicos.

Reduzir paradas de manutenção

Um dos maiores desafios para gestores industriais é em relação à manutenção. Ela é extremamente necessária e deve ocorrer em algum momento. Entretanto, a grande prioridade é evitar a manutenção emergencial.

As paradas geram grandes custos e impactam diretamente os resultados da produção. Com o suporte de um sensor inteligente, baseado na IIoT, é possível analisar falhas com antecedência e mapear o momento correto de realizar as manutenções.

Com um bom planejamento em mãos, os impactos na produção são bastante reduzidos.

Eliminar processos repetitivos

Por fim, podemos destacar uma das aplicações mais recorrentes quando falamos em Internet das Coisas Industrial: eliminar processos repetitivos. Grande parte deles são feitos por mão de obra humana.

A ideia aqui é eliminar postos de trabalho que não agregam valor, dependem de muito esforço e também eleva os níveis de acidentes, assim como citamos no início do material. E é nesse sentido que encontramos robôs e máquinas inteligentes que visam substituir o gargalo e realocar a mão de obra para postos que realmente façam sentido para produção.

Quais os desafios desse cenário?

Em uma perspectiva mais ampla, a Internet das Coisas Industrial tem uma série de desafios pela frente. De acordo com dados divulgados por um estudo feito pelo BNDES, a movimentação com IoT deve ser de US$ 45 bilhões até o ano de 2025. No entanto, até que esses dados se tornem realidade, é preciso vencer o processo de integração do maquinário antigo com os sistemas tecnológicos que envolvem rastreamento e dados lógicos.

Diante disso, o mais importante é compreender como esse processo será realizado de acordo com cada realidade industrial. O objetivo é não só integrar a empresa às mudanças da Indústria 4.0, mas também identificar quais são as inovações que realmente serão efetivas na operação e representarão verdadeiros investimentos conforme as falhas e dificuldades internas.

Outro desafio que precisa ser mencionado é a adaptação da força de trabalho na indústria. Atualmente, quem atua no chão de fábrica tem os conhecimentos técnicos que envolvem a solução de problemas. De maneira bem ampla, não existe uma espécie de manual em que tudo isso está estabelecido, e muitos casos são identificados conforme a experiência de cada um. Ou seja, no famoso “olho”.

Ao aumentar o grau de conectividade, torna-se necessário reunir o melhor dos dois mundos, com informações estratégicas e reuniões de dados automatizados, sem deixar de lado a visão prática de quem lida com as dificuldades do dia a dia. Essa estruturação deve ser focada em se antecipar aos problemas, para que esse operário experiente possa fazer seu trabalho sem ir além no diagnóstico de falhas.

Segurança das informações

A preocupação com a segurança das informações deve ser uma das prioridades ao lidar com a transformação causada pela Internet das Coisas Industrial. Com uma capacidade de armazenamento, registro e acessibilidade em tempo real, montar um esquema de monitoramento de segurança se transforma em algo fundamental.

O mais importante é trabalhar com parceiros de negócios que consigam integrar diversos benefícios não só nas questões práticas, de realmente colocar a mão na massa nas operações, mas no ato de gerenciar o processamento de informações, que se resume em um novo modelo de atuação interna e de gerenciamento corporativo.

Servidores em nuvem

Vale lembrar que, quanto aos processos de segurança desses dados, os servidores em nuvem representam na digitalização das informações mais uma proteção maior do que uma vulnerabilidade. Entre os recursos envolvidos nesse aspecto estão a autenticação, os firewalls, os antivírus, a criptografia e outros dispositivos relacionados à segurança.

Esse tipo de bloqueio impede que invasores acessem esses dados e mantém as modificações apenas nas redes internas. Além disso, as etapas logísticas ganham muitos benefícios com esse processo e complementam a operação com qualidade do início ao fim.

A conexão da logística com o setor produtivo, por exemplo, permite fazer um estoque dinâmico, com solicitações de materiais que evitam a escassez e a perda de recursos pelo gerenciamento inadequado. Por ser um recurso essencial na chamada Indústria 4.0, a IIoT se mostra como o segredo para mudar os ciclos de desenvolvimento e criar padrões de qualidade para todos os processos.

Em resumo, podemos entender a Internet das Coisas Industrial como um conceito revolucionário para esse setor, que passa a ganhar inteligência e eficiência. Tais resultados são fundamentais para a competitividade estratégica de mercado. Desse modo, é indispensável conhecer e avaliar sua aplicação hoje dentro da sua linha de produção.

Gostou deste artigo? Então deixe seu comentário no post e nos conte como sua empresa está envolvida nas mudanças geradas pela Internet das Coisas Industrial.

Página do LinkedIn Acoplast Brasil

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 1

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.