motor

Motor: entenda de uma vez como funciona essa peça

Entender como funciona o motor é fundamental dentro da gestão industrial, pois, ele é um dispositivo complexo que atua transformando outras fontes de energia em energia mecânica e energia útil para movimentar máquinas, equipamentos e veículos.

Atualmente, o uso de motores elétricos é fundamental para a manutenção de nosso padrão de vida. De um modo resumido, podemos descrevê-los como dispositivos que têm a capacidade de produzir energia mecânica utilizando outras formas de energia, como a elétrica.

Elementos de transmissão mecânica

Entre os mais diversos equipamentos, fundamentais para a operação de uma indústria, podemos dizer que o motor se destaca. Afinal, ele é o grande responsável por fornecer a energia mecânica necessária para que máquinas e equipamentos desempenhem suas atividades.

Levando esse fato em consideração, é fácil compreender o quão importante é o dispositivo. Apesar disso, muitas pessoas não entendem como funciona o motor elétrico, o que pode acarretar alguns erros em sua operação e a diminuição da sua vida útil.

Pensando nesse problema, resolvemos desenvolver este conteúdo com informações mais completas a respeito desse equipamento. Continue a leitura e entenda, de uma vez por todas, o que é um motor e descubra como ele funciona!

Sem tempo para ler agora? Baixe gratuitamente!📝

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é um motor?

De um modo simples, podemos dizer que um motor é um dispositivo desenvolvido com a finalidade de converter outras fontes de energia, como a química e a elétrica, em energia mecânica, utilizada por máquinas, equipamentos e veículos para impulsionar seu funcionamento.

É interessante ressaltar que, embora o motor como o conhecemos hoje seja uma tecnologia razoavelmente recente, ao menos em comparação com a história da humanidade, o ser humano utiliza, desde seus primórdios, fontes de energia motora com o objetivo de facilitar seu trabalho.

As primeiras fontes dessa energia eram a força dos ventos e dos rios, para mover rodas d’água e moinhos, e a tração animal. Com o passar do tempo, porém, a tecnologia foi evoluindo, o que abriu espaço para os motores a vapor e o uso de combustíveis e combustão.

Hoje em dia, a maior parte dos motores funciona por meio da energia elétrica e da energia química, utilizando a combustão.

Como funciona o motor?

Podemos dividir os motores em dois grupos, de acordo com seu funcionamento. Os motores químicos, que utilizam a combustão para gerar energia mecânica, e os motores elétricos, que convertem a eletricidade proveniente do eletromagnetismo, em energia útil para os componentes de máquinas, equipamentos e veículos.

Continue a leitura e descubra mais como funciona o motor desses dispositivos!

Motor a combustão (químico)

O motor a combustão interna, também conhecido como motor de 4 tempos ou motor de explosão, pode ser descrito como um dispositivo capaz de converter a energia química, proveniente da combustão de uma mistura de oxigênio e combustível, em energia motora.

Para que esse processo ocorra, um determinado combustível, o diesel ou a gasolina, deve preencher um cilindro, onde se mistura ao oxigênio. Nesse cilindro, um pistão deve comprimir a mistura até que ela entre em combustão, gerando uma pequena explosão que pressiona o pistão mais uma vez para sua posição inicial.

Funcionamento de um motor à combustão interna ou de quatro tempos

Com a finalidade de tornar a operação de um motor a combustão mais eficiente, todo esse processo foi dividido em 4 estágios distintos, por isso o dispositivo também recebe o nome de motor de 4 tempos.

Motor elétrico

 

Apesar de invisível, o magnetismo é uma força poderosa. Dependendo de sua intensidade, ele tem o potencial de movimentar objetos. O funcionamento do motor elétrico é baseado nesse princípio.

Um motor elétrico utiliza a repulsão eletromagnética, entre dois ímãs, para movimentar um rotor, produzindo a energia mecânica. Para isso, uma bobina deve ser inserida dentro de um rotor. Quando o motor é conectado a uma corrente elétrica, essa bobina começa a emitir um campo magnético que repele outro campo, proveniente de um ímã externo.

O ímã interno, a bobina, se move dentro do rotor, procurando se alinhar ao campo magnético emitido pelo ímã externo. Então, a corrente elétrica alternada, que alimenta o magnetismo da bobina, inverte a tensão a qual ela está sujeita em segundos, o que impede que o alinhado seja alcançado e permite que o rotor continue em movimento.

Quais são os principais usos para um motor?

Os motores, sejam eles elétricos ou a combustão, são peças fundamentais para os mais diversos tipos de máquinas e veículos. É interessante notar que cada tipo de motor se alinha melhor a um equipamento específico ou às necessidades de seu proprietário. Continue a leitura e aprenda mais!

Motor de automóvel

Os automóveis, tão presentes em nossas vidas, tornam nosso cotidiano muito mais fácil. Afinal, sem essa comodidade, a distância entre dois pontos seria um problema extremamente complexo.

É válido ressaltar que essa tecnologia não se resume ao uso pessoal, ela também é indispensável para o transporte de mercadorias e mantimentos. Na prática, isso significa que, sem os automóveis, nosso padrão de vida seria muito mais baixo do que o que vivemos atualmente.

Os motores são peças fundamentais para essa tecnologia. Afinal, são eles os grandes responsáveis por sua capacidade de locomoção. Até pouco tempo atrás, os custos envolvidos na operação e manutenção de motores elétricos tornavam seu uso em automóveis inviável. Avanços recentes, porém, têm tornado o dispositivo muito mais acessível, de modo que seu uso em veículos não está mais tão distante.

Motor industrial

Embora esse fato passe despercebido por grande parte das pessoas, os motores industriais também são muito presentes em nosso dia a dia. Isso ocorre porque eles são os responsáveis por fornecer para as máquinas de uma indústria a energia mecânica que elas necessitam para produzir os bens que usamos diariamente.

Assim como ocorre com os automóveis, tanto motores elétricos quanto aqueles movidos à combustão podem ser utilizados na produção industrial. Uma vez que a realidade da operação de uma fábrica é muito diferente da do dono de um veículo, em diversas situações o motor elétrico é o que melhor corresponde às suas necessidades.

Cabe ao comprador da indústria, em parceria com os responsáveis pela operação e pela manutenção do equipamento, identificar qual tipo do dispositivo é o mais indicado para sua situação.

Motor de portão

O motor de portão, como seu próprio nome sugere, é utilizado para que portões sejam abertos de modo autônomo. Nesse contexto, considerando os custos e a potência necessária para a operação, os dispositivos que funcionam a base de eletricidade são amplamente utilizados.

Por fim, é válido ressaltar que, embora os conceitos usados pelo motor e o gerador sejam um pouco semelhantes, eles apresentam implicações completamente diferentes. Isso ocorre porque, enquanto o motor trabalha transformando outras fontes de energia em energia mecânica, o gerador transforma outras energias, como a mecânica, em energia elétrica.

Portanto, os dois dispositivos apresentam resultados finais diferentes e não devem ser confundidos.

Motor a combustão

Um outro tipo muito comum é o motor a combustão. Basicamente, por ser considerado “combustão” significa que existe um processo químico para que ele possa operacionalizar. Nesse caso, há uma quebra das ligações químicas no combustível utilizado. Entre eles, gasolina, etanol, diesel, entre outros.

Quando rompidas, essas ligações fazem com que haja a movimentação dos eixos presentes. Em outras palavras, significa a transformação de uma energia química em mecânica.

Após isso, esse processo gera produtos gasosos e uma alta temperatura, resultando na elevação da pressão e, consequentemente, na movimentação dentro do motor.

Turbofans

Já imaginou como chama os motores dentro de um avião? Então, eles são conhecidos como turbofans. São graças as fortes reações internas que geram velocidades que podem variar de 550 km/h à 1.000 km/h.

Neles, uma força age no sentido contrário a outra, que está aplicada ao meio externo sobre o sistema. O trabalho do motor é justamente empurrar quantidades volumosas de ar com energia cinética e térmica.

Em contrapartida, são empurrados massa de ar quente para frente. Toda essa ação contrária a outra, ativam o funcionamento do motor. E a partir disso, os aviões podem ser ligados e transitar.

Motor elétrico

Por último e não menos importante, está mais um motor que operacionaliza a partir da transformação de energias — entidades elétricas, corrente e campo elétrico. Aqui, como o próprio nome já diz, é a partir da elétrica, que será transformada em mecânica.

De maneira simples, esse tipo tem imãs fixados internamente na sua estrutura e um rotor, que gira no interior do motor. As bobinas presentes dentro do rotor geram campos magnéticos, repelindo-o. A partir desse processo ele começará a girar, produzindo a energia mecânica.

É uma transformação muito simples e é justamente por esse motivo que torna o motor elétrico tão popular. Existem diferentes tipos de aplicações do motor. Você sabe quais são?

Então, trouxemos algumas delas e as características de cada, confira:

Trifásico

Esse tipo de motor ocorre por meio de correntes elétricas alternadas que giram em três fases. Ele é sem sombra de dúvidas, um dos tipos mais comuns em aparelhos de alta potência, como no setor industrial.

O que torna ainda mais aplicável para esse setor. Uma vez que máquinas como esse motor são de baixo custo de manutenção, montagem e fabricação, além da sua simplicidade em operacionalizar.

Monofásico

Em contrapartida, existem motores com apenas uma corrente alternada. Ele é mais utilizado quando não há tanta demanda de potência — menores de 3 KW—, como os eletrodomésticos e eletroportáteis presentes em nossas casas.

Elas também são motores simples, com fácil manutenção e, por esse motivo, de baixo custo. Eles são encontrados em aspiradores de pó, ventiladores, geladeiras, máquinas de lavar roupa ou louças, exaustores, ar-condicionado, entre outros.

Entretanto, esse tipo não consegue dar a partida por conta própria, diferente dos trifásicos, então, utilizam um componente que inicia a operação.

Síncronos

Esse tipo de motor ocorre por meio de uma constante velocidade, chamada síncrona, que se mantém contínua, independentemente das cargas.

Assíncronos

Por fim, temos os assíncronos. Como podemos verificar no nome, ele não sincroniza. Isso ocorre porque diferentemente dos síncronos, não há uma constância na velocidade e, em especial, reduzida.

Como garantir a vida útil de um motor?

A média do prazo de validade dos motores elétricos é de 5 anos. Depois disso, as suas funções e condições de funcionamento podem ficar comprometidas. Para garantir e aumentar esse tempo, devem ser feitas as lubrificações periódicas indicadas no manual de instalação e manutenção do equipamento e a troca dos rolamentos.

Além disso, o bom funcionamento do motor elétrico depende de outros fatores, como manutenção frequente, a utilização de produtos adequados, entre outros. Confira!

vida útil motor - Acoplast Brasil

Faça a instalação adequada

A instalação do motor influencia diretamente a sua duração. Para evitar falhas, é preciso verificar a corrente e a tensão da máquina, bem como certificar-se de que não há quedas de energia constantes.

Faça a manutenção preventiva

Fazer uma manutenção eficiente e constante é essencial para garantir que o motor está operando corretamente. O ideal é que ela seja feita de forma preventiva todos os meses, verificando principalmente a limpeza do equipamento, a lubrificação das peças, o estado dos rolamentos e dos isolantes elétricos, a temperatura e vibração, entre outros.

A manutenção preventiva garante o bom funcionamento do motor elétrico, deve ser feita por profissionais qualificados e verifica a existência de irregularidades que possam vir a causar qualquer tipo de problema. Esse procedimento ainda evita outros tipos de manutenção, como a corretiva, que traz maiores gastos para empresa, que necessitaria trocar peças já danificadas.

Dados sobre manutenção no Brasil

 

Utilize produtos adequados nas manutenções

Para que a lubrificação dos motores elétricos seja eficiente, é importante ter em mãos os tipos de graxa corretos para cada equipamento e a quantidade adequada. As graxas de bases distintas nunca devem ser misturadas, e a lubrificação reduzida ou excessiva pode ser prejudicial para o desempenho do motor elétrico.

Quando há a falta de graxa, ocorre a elevação de temperatura do equipamento, causando também a resistência da movimentação das peças rotativas e a perda das características da lubrificação. Por outro lado, a lubrificação em demasia pode gerar o vazamento e levar a graxa para dentro da bobina ou de outras partes do motor.

Garanta boas condições de uso

Depois de todos esses cuidados, chega o momento de verificar se o equipamento desfruta de todas as condições favoráveis para o seu funcionamento. A primeira delas é averiguar se a curva corresponde à carga, se a potência é compatível com a rede elétrica da empresa e se a tensão do equipamento está funcionando à plena carga.

Além disso, o carregamento do motor deve ser equivalente à carga do trabalho efetuado por ele, o que nem sempre é simples de determinar. Por esse motivo, é importante checar todos esses itens periodicamente para que nada passe despercebido.

Por fim, a vida útil dos motores elétricos também depende da temperatura e do espaço do local onde ele é armazenado, lembrando que os profissionais que vão manuseá-lo devem ser bem treinados para a utilização segura e consciente do equipamento.

Use o combustível certo

Quando pensamos na operação de um motor a combustão, além de todos os cuidados e práticas que já foram citados, é necessário que o time responsável por sua operação e manutenção tenha o cuidado de selecionar os combustíveis mais alinhados ao seu funcionamento.

Isso acontece porque, se o motor receber um combustível de qualidade ruim, o seu desempenho tende a ser prejudicado. O que obviamente acaba por se refletir negativamente no desempenho da indústria.

Além disso, é importante levar em consideração que um combustível contaminado, ou de qualidade ruim, pode até mesmo danificar a estrutura do motor e os componentes, causando prejuízos diretos à indústria.

Portanto, o ideal é que o combustível utilizado siga os padrões, especificados pelo fabricante do motor. Também é importante que ele seja adquirido de fornecedores confiáveis.

Monte os componentes de modo adequado

Embora o motor seja um dos dispositivos mais vitais para a operação de uma indústria, a sua utilidade está diretamente relacionada ao sistema de transmissão, responsável por levar a energia mecânica, produzida por ele, até as máquinas e os equipamentos industriais.

Por essa razão, é necessário que a ligação entre o motor, e os demais componentes desse sistema, seja feita corretamente. Uma tarefa que exige cuidado para que as peças de fato estejam encaixadas, isso sem apresentar folgas ou desalinhamentos.

Se esse cuidado não for tomado, o desempenho do motor pode ser reduzido drasticamente. Em situações mais críticas, a energia, produzida por ele, pode até mesmo causar danos aos componentes e forçar a indústria a gastar tempo e recursos com a aquisição e com a troca de peças.

Analisando essas informações, podemos chegar a conclusão de que a tarefa elaborar um sistema de transmissão mecânica deve ser exercida por técnicos qualificados.

Opte por componentes alinhados às demandas da indústria

É fato que indústrias diferentes, mesmo as que atuam no mesmo ramo, costumam ter demandas e necessidades diferentes, de modo que o time de técnicos precisa sempre se manter atento às soluções com o potencial de otimizar os níveis de produtividade da companhia.

Nesse contexto, o uso de dispositivos especiais, como os acoplamentos magnéticos, tende a ser uma solução muito interessante, dependendo do modelo de operação da indústria.

Isso ocorre porque, por mais eficiente que seja o sistema de transmissão, ele sempre está sujeito a vibrações e atritos acarretados por sua ligação com o motor. Os acoplamentos magnéticos, porém, fazem uso de magnetismo para transmitir a energia mecânica.

Uma característica que elimina o contato direto entre o motor e os demais componentes do sistema de transmissão. O que acaba por reduzir drasticamente a intensidade das vibrações e dos atritos.

Assim como o acoplamento magnético, existem diversas peças e dispositivos com a capacidade de aumentar a vida útil do motor, e do sistema de proteção, ao mesmo tempo que otimizam seus índices de eficiência.

Implemente a rotação manual de eixos

Outro ponto a ser considerado é que, com o passar do tempo, as peças do motor podem ser sujeitas a problemas como a corrosão. Principalmente quando o dispositivo está alocado em uma área insalubre, ou passa por longos períodos sem operação.

Para evitar esse problema, o time de técnicos pode fazer a rotação manual de seus eixos. Uma atividade que, além de manter o motor operante, abre espaço para que eles identifiquem possíveis problemas observando o modo como a rotação ocorre.

Dada a importância desse procedimento, o ideal é que ele seja realizado pelo menos uma vez por mês.

Como você viu neste artigo, é muito importante como funciona o motor para garantir o seu bom desempenho. Para que ele tenha a sua vida útil aumentada, é essencial fazer manutenções periódicas e contar com profissionais qualificados.

Agora que você entende o funcionamento motor, e sabe como aumentar a vida útil do dispositivo, o que acha de ter acesso a motores e a componentes industriais de alta qualidade? Entre em contato conosco e descubra as soluções da Acoplast Brasil!

Página do LinkedIn Acoplast Brasil

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 15

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.