Indicadores de Manutenção - MTBF e MTTR

MTBF e MTTR: entenda o que são e como funcionam

Você sabe como usar o MTBF e MTTR? Esses indicadores de desempenho são extremamente importantes para quem trabalha com equipamentos industriais e por conta dos nomes parecidos despertam muitas dúvidas. O melhor caminho, nesse caso, é compreender que são indispensáveis no controle de produção.

Indicadores de manutenção na indústria

No entanto, é importante ressaltar que não basta apenas colocar as fórmulas em prática. Todos os resultados positivos envolvem compreender a maneira certa de aplicá-los no dia a dia da empresa e conforme a atuação da equipe de manutenção. Só assim será possível reduzir custos e identificar soluções inteligentes de maneira prática.

Quer saber mais? Vamos mostrar um verdadeiro guia sobre MTBF e MTTR para que você possa usá-los com propriedade. Acompanhe!

O que é Mean Time Between Failures (MTBF)?

O MTBF, na prática, é a métrica que evidencia a média de tempo que envolve uma irregularidade e o próximo lapso. Todas essas falhas de tempo podem ser previstas por meio de uma fórmula. Se trata de um dos indicadores de manutenção que faz parte da matriz de indicadores que normalmente são usados para monitorar os resultados do setor.

Em inglês, a sigla se refere à Mean Time Between Failures e em tradução para o português representa o tempo decorrido entre falhas de um determinado sistema durante o processo de operação. Dentro desse contexto, a forma mais eficiente de medir o MTBF é aplicá-lo em cada equipamento e partir do princípio do que é considerado um sistema de falha.

Os desafios no setor de manutenção e produção são constantes. Por isso, as métricas de MTBF são usadas há mais de 60 anos para que os investimentos sejam feitos com sucesso e de acordo com as necessidades específicas das ações realizadas.

O que é Mean Time to Repair (MTTR)?

MTTR é um indicador de desempenho usado na hora de indicar o Tempo Médio Para Reparo de um equipamento, sistema ou componente. Depois dessa eventualidade, o prazo que permite o retorno do funcionamento é decisivo em evitar prejuízos na operação.

O mais importante, aqui, envolve compreender que o MTTR representa um indicador menor ou melhor que a empresa precisa trabalhar para que permaneça baixo. Outro ponto que deve ser levado em consideração é que não existe um valor ideal para o MTTR. Afinal de contas, cada empresa tem um conjunto de diferentes equipamentos, esquemas de planejamentos, números, máquinas e objetivos particulares.

Vale considerar que esse tipo de cálculo só pode ser aplicado em equipamentos que é comum existirem diferentes resultados de MTTR e todos serem avaliados de maneira positiva. Além disso, o índice só pode ser aplicado, logicamente, em máquinas que são passíveis de manutenção produtiva total e prejudicam a operação quando estão inativas.

Qual a importância desses indicadores?

Tanto o MTBF quanto o MTTR são indicadores que quando mensurados de forma eficiente são responsáveis por permitir grandes avanços estratégicos no andamento do trabalho. Vamos falar, inicialmente, das vantagens de implantar a métrica do MTTR nos cálculos em relação aos equipamentos que precisam ser substituídos. Veja a seguir!

Recursos bem-direcionados

Esse tipo de indicador permite que os gestores tenham uma visão mais estratégica da empresa de maneira geral. O MTTR demonstra com exatidão em qual setor do negócio será necessário fazer mudanças rapidamente para evitar problemas e prejuízos a longo prazo.

Quando os resultados da métrica não são satisfatórios, suas características específicas esclarecem o que deve ser alterado com clareza. A grande vantagem, nesse caso, é que os gestores e os responsáveis pela administração não precisam adivinhar o que é deve ser feito para eliminar falhas nas operações e, consequentemente, aumentar os lucros.

Planejamento de soluções

Tomar decisões rápidas, úteis e inteligentes é um dos grandes desafios da indústria. Isso porque os problemas na produção se transformam em uma verdadeira bola de neve que é capaz de atingir todos os setores e criar uma imagem negativa da empresa no mercado. Dessa forma, o relatório conquistado a partir do indicador, faz com que o motivo que causou o reparo se torne evidente.

Ao reduzir o MTTR o máximo possível, você consegue ter as informações das causas das falhas e do tempo médio para os reparos. Assim, além de uma dinâmica mais rápida, também é possível encontrar soluções definitivas para garantir a eficiência global do equipamento.

Senso de urgência

O uso do indicador MTTR cria uma espécie de senso de urgência em todas as pessoas da equipe. Imagine só se um membro do time responsável por organizar os reparos e substituições não tem a noção exata do que atrasar o processo causa. Então, ao avaliar os resultados dos indicadores, fica muito mais simples prepará-los da forma correta para que eles saibam que cada segundo importa.

Os números apresentados mostram os problemas claramente e ajudam na criação de ações estratégicas que servem como fator motivacional na hora de vestir a camisa da empresa. Sem contar os benefícios de tornar os processos mais dinâmicos, pois os responsáveis pelos setores importantes estão completamente cientes de suas funções.

Vantagens do MTBF

O papel de companhias que atuam na área industrial é se manter sempre atualizada e contar com toda a ajuda necessária para permanecer competitiva diante da concorrência. Por este motivo, o MTBF se torna tão importante, pois se refere diretamente ao controle de performance.

Além de identificar problemas operacionais, o indicador permite ainda avaliar se existe um baixo desempenho, possíveis irregularidades e pouca efetividade. Com um sistema de controle mais organizado e automação, se torna mais prático usar esses indicadores com clareza e saber exatamente como usá-los nas ações do dia a dia.

Manutenção preventiva

Se você não se preocupa com manutenção preventiva, certamente sua empresa perde dinheiro em vários pontos que passam despercebidos. O que vale destacar, em uma situação como essa, é que a prevenção costuma ser muito mais barata aos cofres do que uma correção.

Dados sobre manutenção no Brasil

Dessa forma, ao instalar um processo de manutenção preventiva nos ativos, os problemas são evitados por identificar as possíveis falhas antes que aconteçam conforme os dados evidenciados pelo MTBF e o próprio relatório de manutenção estabelecido pela empresa com base em duração de peças stand-by e outros componentes.

Estabelecer metas

Por exemplo, se uma máquina apresenta um grande número de falhas em um curto espaço de tempo ou na mesma época do ano, isso indica que as manutenções preventivas precisam ser ajustadas durante o período. Isso abrange diretamente o estabelecimento de metas para os técnicos que fazem parte da equipe ou prestam serviços no processo de manutenções e reparos.

Ao ficar ciente sobre o tempo médio de intervalo entre falhas é possível medir a confiabilidade das máquinas e estabelecer planejamentos e metas que sejam coerentes com a demanda de trabalho. Além disso, as metas de bom funcionamento das máquinas ou equipamentos podem ser cumpridas com o objetivo de trazer mais tranquilidade nos procedimentos de produção.

Quais as diferenças entre o MTTR e MTBF?

As diferenças entre MTTR e MTBF costumam causar uma série de dúvidas na hora de utilizar as métricas de forma eficiente em seu negócio. As diferenças entre os conceitos levam em consideração os sistemas, os planejamentos e as necessidades de cada tipo de negócio. Quando a situação lida com questões irreparáveis, a métrica mais indicada é o MTTF que é um outro cálculo que trata o Tempo Médio Para Falhas ou na sigla em inglês que é mean time to failure.

São conceitos diferentes e que também são calculados com fórmulas diferentes. Dessa maneira, é importante ressaltar que o MTBF evidencia a confiabilidade de um sistema. Já o MTTR mostra a eficiência da ação corretiva estabelecida pela empresa. Com os dois atuando em conjunto, fica mais simples definir o que é prioridade e reduzir o número de falhas ao máximo.

Ampliar conhecimentos

Diferenciar esses os conceitos, se torna essencial para aplicá-los corretamente e conseguir aproveitar os benefícios no crescimento do negócio em uma visão ampla e estratégica. Essa medida é muito importante em empresas de diversos segmentos, principalmente as que atuam em ambientes de alta disponibilidade nos quais falhas podem trazer muitos prejuízos e prejudicar a manutenção produtiva total.

Com os dois indicadores, a gestão responsável por avaliar as informações de rendimento amplia seus conhecimentos em relação a cada etapa de funcionamento da empresa, incluindo o lead time, e todos os seus processos. A partir disso, todos que têm tarefas envolvidas com a manutenção passam a atuar em conjunto com base nos números.

Como calculá-los?

Agora que você já conhece as diferenças e a utilidade do MTBF e do MTTR deve estar se perguntando como fazer os cálculos na prática. Pois bem, antes de mais nada, se torna necessário ter algumas informações em mãos para que esses cálculos sejam realizados de maneira eficiente. Veja, abaixo, quais são!

TD

O TD representa o tempo total de disponibilidade da máquina. Na prática, é o tempo que o equipamento deveria permanecer em funcionamento quando tudo acontece de maneira correta sem falhas.

TM

Essa medida é o tempo total de manutenção que representa o tempo que o equipamento esteve parado até que os profissionais responsáveis pudessem concluir o reparo.

P

Já o P é a quantidade de paradas do equipamento. De maneira exata, demonstra quantas vezes a máquina foi interrompida por ocorrência de falhas.

Vamos começar com a fórmula de cálculo do MTTR que mede a intervenção de reparo depois de uma eventualidade de falha. O indicador, aqui, é calculado ao aplicar a média de tempo que leva para reparar o problema. Dessa maneira, acontece assim:

MTTR= (tempo total de reparo)/(quantidade de falhas)

O cálculo deve estabelecer o tempo médio em que a máquina ficou parada. Em função disso, quanto menor for o resultado do MTTR, melhor é o trabalho da equipe de manutenção.

Cálculo do MTBF

Agora, vamos ao cálculo do MTBF que demonstra o tempo entre uma irregularidade e a próxima que vai acontecer. Para o cálculo é preciso aplicar o tempo total de desempenho natural do ativo sobre a quantidade de erros acontecidos no período. Veja a fórmula:

MTBF=(tempo total da máquina funcionando)/ (número de falhas ocorridas)

Com os números em mãos, por exemplo, é comum avaliar o aumento do MTBF depois de um processo de manutenção preventiva, representa uma estratégia de melhorias na qualidade dos processos que envolvem os serviços e, consequentemente, o que chega até os clientes finais também vai apresentar muita excelência.

Por exemplo, quando um item tem um MTTR de 24 horas está mais positivo do que um que tenha o MTTR de 7 dias se o tempo médico antes da falha (MTBF) for o mesmo. Isso significa, no fim das contas, que a disponibilidade operacional dessa máquina é maior. Porém, se o equipamento falha, existe apenas o prazo de inatividade de 24 horas até que a operação comece novamente em oposição aos 7 dias sem funcionar.

Como fazer a implantação desses indicadores?

O processo de implantação do MTTR e MTBF tem tudo a ver com alinhar a cultura da empresa com seus procedimentos internos. No entanto, em um contexto em que os negócios precisam reduzir custos e se manterem competitivos sem perder qualidade, as métricas representam a chance de interromper processos que não trazem resultados positivos e potencializar o que realmente funciona de maneira correta.

Dessa maneira, o mais importante inicialmente é indicar uma frequência otimizada que possam trabalhar os dois indicadores. A partir disso, outras etapas são essenciais na implantação das métricas dentro da dinâmica de desempenho industrial. Acompanhe, abaixo, o passo a passo:

  • identificação de falha: de acordo com os dados emitidos no relatório das métricas, os gestores podem perceber o padrão das falhas e de outras ocorrências e os impactos causados na operação de maneira geral. Como resultado, os problemas ficam restritos às áreas específicas e reparados com foco em acertar nas previsões;
  • redução do downtime: aqui, fica claro qual dos componentes são mais problemáticos e deve receber atenção especial no planejamento;
  • processo de manutenção preditiva: os gestores deixam de repetir os mesmos erros, pois no lugar da manutenção corretiva, se torna possível aplicar a manutenção preventiva e ir direto na solução da raiz do problema.

Além disso, para classificar as condições dos dados envolvidos é preciso montar uma tarefa de análise bastante detalhada que tenha o foco em coletar informações de cada segmento monitorado e introduzir no contexto de manutenção preditiva como elemento principal.

Tanto o MTTR quanto o MTBF são indicadores de performance muito eficientes e úteis que devem ser aplicados como forma de ampliar os conhecimentos em relação ao operacional nos mínimos detalhes de cada processo. Dessa forma, fica mais simples diminuir as perdas em relação ao time de produção e no relacionamento de confiança com os clientes.

Downtime

Como citamos, a redução do Downtime se mostra muito importante para se aprofundar no assunto. Se trata também de uma métrica de manutenção também chamada de Tempo de Inatividade do Equipamento. Ela pode ser usada com o objetivo de monitorar, rastrear e definir quão confiável é o ativo.

A base de sua aplicação está no tempo em que aconteceu a inatividade que não foi programada. Em grosso modo, o resultado de uma falha que exige intervenção de reparo. O diferencial, desse tipo de métrica, é que pode ser avaliada até em situações em que não existe um planejamento de manutenção na máquina.

Esse indicador tem uma média global de 10% e indica que a máquina precisa estar na atividade plena nos outros 90% do tempo para que a continuidade de produção seja garantida. No entanto, quando não existe a estrutura adequada ou um monitoramento bem-feito, os resultados podem ultrapassar valores considerados ideais.

Disponibilidade

Dentro desse contexto, falar sobre disponibilidade também faz muito sentido. Em um dispositivo, a disponibilidade é encontrada por MTBF/(MTBF +MTTR) conforme o horário de trabalho agendado. O significado, aqui, é primordialmente a disponibilidade de estado estável que considera somente o tempo de inatividade de um equipamento por paradas de manutenção corretiva.

De modo geral, fica ausente do cálculo feito sobre o tempo de inatividade por manutenção preventiva e outras questões logísticas. Com esse dado em mãos, é possível definir quais são as prioridades da empresa em relação ao esquema de manutenção, conforme o histórico das máquinas e com foco sempre em aumentar o tempo de disponibilidade.

Além disso, ao ter uma visão mais clara em relação aos equipamentos, esses dados ajudam no aumento da produtividade que, consequentemente, melhora o que é entregue aos clientes. Quando bem-implementada de maneira geral, reduz também os custos com operações mais eficientes e coerentes com as necessidades da empresa.

Como fazer o acompanhamento desses indicadores?

Uma das principais vantagens dos indicadores está na criação de padrões. Com o cálculo do MTBF, por exemplo, se torna possível avaliar quais marcas e modelos de ativos representam problemas recorrentes, nome das peças que exigem trocas frequentes, o período de funcionamento de um ativo até que apresente sua primeira falha e, especialmente, se os problemas são causados por falhas no planejamento de preservação.

O acompanhamento correto mostra que o trabalho em conjunto costuma ser a melhor solução no momento de encontrar soluções inteligentes e otimizar as necessidades que envolvem os gestores. Outro ponto importante está no uso dos indicadores em conjunto para identificar quais são as falhas em diferentes perspectivas.

Entretanto, para que as métricas sejam acompanhadas de maneira unificada, a empresa precisa adotar algumas medidas que servem como passos de validação desses dados. Afinal de contas, de nada adianta ter tantas informações em mãos se você não souber o que fazer com elas, concorda? O mais importante é que os dados sejam seguros e possam ser calculados em tempo real. Acompanhe algumas dicas.

  • Identificação das falhas: o ideal, aqui, é recorrer ao histórico de falhas das máquinas e componentes e conversar diretamente com a operação para encontrar o que causa as falhas. No entanto, todo processo que depende da memória das pessoas e é feito manualmente pode não ser 100% eficaz na coleta de informações;
  • eliminação da raiz do problema e da recorrência: com os dados seguros levantados pelas métricas em conjunto com outras informações da equipe, se torna necessário fazer um relatório que determine sobre o período que será analisado. Além disso, o número de ocorrências pelo tipo de falha e o impacto devem ser mensurados para que o gestor consiga afunilar até encontrar a raiz do problema;
  • gestão de manutenção preventiva: o passo seguinte na excelência de manutenção é deixar todo o processo sistematizado. Dessa maneira, fica claro que somente com a automação na coleta de informações e também na reunião de dados será possível ter uma visão ampla e exata de todo o sistema de operação.

Por que usar um software para monitoramento de MTTR e MTBF?

Diante de uma grande quantidade de dados e informações que precisam ser monitoradas minuciosamente, contar com a ajuda da tecnologia é essencial. Como boa parte do sucesso no uso das métricas depende de uma boa estrutura, usar um software de monitoramento moderno e eficiente faz muita diferença nos resultados.

Desse modo, a partir das informações fornecidas pelo ambiente gerenciado, se torna mais prático fazer a medição do tempo médio entre as falhas e o tempo médio de reparo. A plataforma permite identificar todas as indisponibilidades que são constantemente alertadas no sistema aos gestores responsáveis.

Além disso, relatório completos são gerados com os dados do MTTR e MTBF seguros e de fácil compreensão para que tudo seja aplicado como solução conforme às falhas operacionais. Outro ponto muito interessante é que ao identificar quais são os principais problemas de manutenção de sua empresa, você consegue criar um cronograma personalizado capaz de impulsionar os pontos fortes que já são colocados em prática.

A partir de funcionalidades amplas, informações detalhadas de forma otimizada e em tempo real, os indicadores estratégicos reduzem os custos sem alterar a qualidade do serviço oferecido. Tudo isso, com foco no objetivo de crescimento da empresa e suas reais dificuldades de crescimento que impedem o crescimento competitivo no mercado.

Pronto! Agora você já sabe o que é MTBF e MTTR e como essas métricas são essenciais no desempenho de equipamentos industriais. Uma análise de dados bem-feita combinada com a ajuda da tecnologia em software de monitoramento representam a receita ideal na hora de aumentar a competitividade no mercado por eliminar falhas que podem ser previstas com o acompanhamento adequado.

Gostou das informações deste artigo? Então, nos siga no LinkedIn para ficar por dentro de outros conteúdos interessantes sobre o assunto.

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 2

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.