O que é a técnica SMED e quais as suas fases de aplicação?

O que é a técnica SMED e quais as suas fases de aplicação?

A técnica SMED também conhecida como Troca Rápida de Ferramentatem o intuito de acelerar e otimizar o processo de troca de ferramentas, aumentando a disponibilidade das máquinas e a produtividade industrial. A metodologia SMED contribui para que a indústria tenha uma gestão de qualidade. 

Na área industrial, máquinas e equipamentos precisam, constantemente, receber cuidados ou trocas para manter a operação na maior produtividade possível. A troca de ferramentas, por exemplo, é um procedimento comum na indústria e precisa ser muito bem planejado para que o tempo necessário não impacte a disponibilidade da produção.

Para otimizar essas trocas de ferramentas, foi desenvolvida a técnica SMED e ela realmente consegue uma alta otimização. Porém, para aplicá-la com sucesso, é necessário entender todo o processo, quais são as fases e seus pontos críticos.

Portanto, se você deseja otimizar o processo de troca de ferramentas dentro da sua empresa, continue a leitura deste post e aprenda sobre a técnica SMED.

O que é a técnica SMED?

A técnica SMED foi criada no Ocidente pelo engenheiro industrial japonês Shigeo Shingo, em 1985. Para se ter uma ideia, ele conseguiu aplicá-la em várias empresas, alcançando reduções médias documentadas de 94% nos tempos de trocas de ferramentas.

Para entendermos o que é, de fato, essa técnica, talvez a melhor analogia seja com a Fórmula 1. Na corrida, ganha o piloto que fizer o percurso estipulado em menor tempo. No entanto, o carro não consegue completar todas as voltas do circuito sem fazer troca de pneus e reabastecimento. Ele precisa fazer um ou mais pit stops para isso.

O piloto, sempre tentando andar na maior velocidade possível, passa por momentos angustiantes dentro do carro, imóvel, esperando os mecânicos fazerem as trocas. Ainda assim, ele sabe que aquele procedimento é inevitável.

Contudo, com as disputas cada vez mais acirradas, as equipes estão otimizando esse tempo de troca, buscando melhorias, mesmo que de centésimos de segundos. Afinal, sabem que essa otimização pode fazer a diferença entre o primeiro e o segundo lugar na corrida.

Agora, podemos entender melhor o que é a técnica SMED no contexto da indústria. Assim como na corrida, o ideal seria se todas as máquinas e os equipamentos não parassem em momento algum, por nenhum motivo. Como não há essa possibilidade, essas trocas precisam ser bem planejadas e executadas para que ocorram no menor tempo possível.

A técnica SMED foi desenvolvida justamente para otimizar o setup. Quando se está com determinado produto no processo industrial e precisa mudar a fabricação para outro, é necessário trocar as ferramentas, ou seja, realizar o setup.

Quais são as fases dessa técnica?

A técnica SMED é dividida em seis etapas. A seguir, confira os passos para a aplicação de cada uma.

Conheça a operação de setup

O primeiro passo para otimizar as trocas de ferramentas é conhecer o processo de setup. Nessa fase, é crucial documentar cada passo, cada ferramenta necessária, operadores envolvidos, pontos cruciais e esforços.

É interessante fazer esse reconhecimento em diferentes máquinas e turnos, no intuito de identificar as melhores práticas. Afinal, se não há um procedimento documentado, cada operador pode fazer a atividade de uma forma.

Para ajudar, algumas boas práticas são filmar todo o processo, tirar fotos e listar os equipamentos e as ferramentas utilizadas, assim como cronometrar os tempos necessários.

Examine a operação atual

Uma vez que todas as informações foram coletadas, agora é o momento de examiná-las. Nesse sentido, verifique cada operação, a fim de identificar e distinguir o que é setup interno ou externo.

O setup interno é aquele em que a linha de produção precisa estar inoperante. Já no setup externo, a produção pode estar ativa.

Otimize a operação

O objetivo da terceira fase da técnica SMED é justamente otimizar a operação. Após examinar as atividades e separá-las entre setup interno e externo, você vai usar a criatividade e a inteligência para otimização.

O mais interessante é alocar a maior quantidade de atividades possíveis no setup externo, e não no interno. Isso porque, dessa forma, a produção pode estar rodando durante as ações.

Voltando ao nosso exemplo do pit stop da Fórmula 1, os mecânicos não precisam esperar que o piloto chegue com o carro no local reservado. Eles já deixam os pneus e as ferramentas prontas, no lugar certo, para otimizar o processo.

Ensaie a nova operação

Agora que você já encontrou diversas possibilidades de otimização, chega o momento de ensaiá-las, colocar em prática e ver se elas serão realmente eficazes.

O interessante aqui é fazer esse ensaio com diferentes equipes, turnos e máquinas. Assim, você terá maior efetividade ao criar um processo otimizado, independentemente de quem esteja operando a troca de equipamentos e de ferramentas.

Padronize o novo processo

Depois que o novo processo de operação estiver ensaiado, testado e aprovado, é hora de padronizar. O objetivo dessa etapa é fazer com que todos sigam o processo otimizado.

Uma boa ferramenta para isso é o POP (Procedimento Operacional Padrão). Trata-se de um documento com todas as operações bem descritas, com o passo a passo, imagens ilustrativas, lista de ferramentas e o que mais for necessário.

Estabeleça um sistema de desempenho

A última etapa da técnica SMED é estabelecer um sistema de desempenho que ajude a buscar sempre melhorias. Você pode, por exemplo, determinar o tempo atual gasto para trocar uma ferramenta e uma meta de redução.

O controle dos tempos também é importante para analisar se todos os operadores estão treinados e capacitados, assim como a estrutura disponível para as trocas.

Como implantar a técnica SMED?

Vimos, ao longo deste artigo, que a SMED é uma busca por otimização de tempo nas trocas de ferramentas industriais. Essa técnica é muito interessante, ainda mais pensando na grande variedade de produtos que uma mesma linha de produção pode criar.

O interesse por melhorias deve ser algo constante, que segue a filosofia do Lean Manufacturing, ou Manufatura Enxuta, que visa a aumentar a produtividade, reduzir custos e otimizar processos.

Para aplicar a técnica SMED na sua empresa, siga com muita atenção os seis passos que mostramos e nunca deixe de tentar melhorar.

Gostou do conteúdo? Então curta a nossa página no Facebook e acompanhe novas notícias que postamos por lá!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Artigos relacionados