Como funciona um redutor planetário

Você sabe como funciona um redutor planetário?

A tecnologia vem sendo responsável por diversos avanços técnicos, que visam otimizar o funcionamento de equipamentos e torná-los mais condizentes com as expectativas de uma sociedade cada vez mais exigente. No entanto, nem sempre compreendemos como isso ocorre. Pensando nisso, preparamos um conteúdo mostrando como funciona um redutor planetário.

Também chamado de sistema de engrenagem elíptico, o seu funcionamento pode parecer bastante complexo em um primeiro momento, mas a observação dos aspectos mais relevantes do seu projeto permite entender, ao menos basicamente, os seus benefícios. Continue sua leitura e descubra como fazer isso!

Afinal, o que é um redutor planetário?

Apesar do nome curioso, um redutor planetário nada mais é do que um conjunto de engrenagens que é composto, basicamente, por três tipos distintos: uma engrenagem solar, que fica ao centro e transmite o torque para as engrenagens planetárias, usualmente montadas em uma engrenagem anelar ou anel externo.

Existem numerosas variações em sua disposição e complexidade, indo de opções extremamente simples até as mais complexas, mas, de uma maneira geral, o objetivo é sempre o mesmo, que é o de reduzir a velocidade rotacional do sistema de acionamento de um equipamento, seguindo uma proporção.

Como funciona um redutor planetário?

De forma resumida, um redutor planetário consegue transformar a velocidade alta de um motor elétrico em uma reduzida aceleração, com ampliação do torque. Isso é feito, como dissemos anteriormente, por meio dos conjuntos de engrenagens, que contam com diferentes graus de liberdade para girar em torno de eixos que giram em torno da engrenagem solar.

Essa configuração é bastante simples. Por isso mesmo, demanda pouca manutenção ou ajustes e fornece uma saída de baixa velocidade e torque alto, o que justifica a sua função primordial, que nada mais é do que transformar uma alta velocidade de um motor elétrico em uma velocidade menos expressiva, com aumento do torque.

Onde o redutor planetário é aplicado?

Um redutor planetário pode ser aplicado em uma série de situações e panoramas diferentes. No entanto, sua principal demanda se dá em locais nos quais o espaço e o peso são um problema, mas grandes reduções de velocidade são necessárias. Isso se aplica, por exemplo, em setores da indústria, equipamentos de construção, tratores e assim por diante.

Outras utilizações comuns são em motores de turbina, transmissão automática de veículos ou até em modernas chaves de fenda elétricas. A carga passa a ser compartilhada entre várias engrenagens planetárias, sendo distribuída de forma mais uniforme, aumentando o torque e tornando as peças mais resistentes a falhas ou eventuais danos.

Quais são os principais benefícios de um redutor planetário?

Se você chegou até aqui, já ficou bem familiarizado com o conceito de um redutor planetário. No entanto, é possível que você ainda não tenha compreendido que, para os bons projetos de automação industrial, contar com os equipamentos adequados também é essencial. Por isso, vamos listar alguns dos principais benefícios de um redutor planetário. Confira.

Ganho de eficiência dos motores

Um dos principais benefícios de um redutor planetário é que ele promove um ganho de eficiência dos motores, tendo em vista que estes transmissores obtêm excelentes resultados. Na realidade, como reduzem a velocidade de movimento na proporção em que aumentam o torque, acabam por diminuir o grau de exigência sobre a potência dos motores.

Com isso, os componentes não são tão exigidos, o que ajuda a ampliar sua vida útil e faz com que as demandas de manutenção sejam minimizadas também. Para a indústria, é uma opção eficaz para tornar mínimo alguns dos maiores riscos ao desempenho da organização, como o de paradas produtivas e despesas associadas.

Garantia de uma precisão elevada

O redutor planetário oferece uma elevada garantia de precisão. Além disso, conta com diversas aplicações para aprimorar o controle de sistemas mecânicos e sua resolução. Isso acontece porque a energia cinética é transmitida para o torque, resultando em movimentos de maior qualidade, mais segurança e com melhor sincronia.

Com a inclusão desse componente, é possível tornar equipamentos mais produtivos e eficientes, de modo a gerar resultados melhores, o que é imprescindível para a indústria no competitivo mercado de hoje. Tudo isso com uma solução simples e elegante, que transforma a alta velocidade de um motor elétrico em uma velocidade menor.

Redução no desgaste de componentes

Não dá para falar sobre os principais benefícios de um redutor planetário sem falar que eles proporcionam uma notável redução no desgaste dos equipamentos dos quais fazem parte. Com isso, as chances de diminuir a performance ou até mesmo interromper a operação por causa de um defeito tendem a ser minimizadas consideravelmente.

Isso ocorre porque um redutor planetário distribui a carga entre os principais componentes de forma notável, mesmo com seu tamanho discreto quando comparado com outras versões, como redutores comuns de engrenagem e pinhão. Com a distribuição de carga mais eficiente, é possível garantir a melhor aplicação industrial, por conta da atuação reforçada.

Diminuição da inércia da carga

Um dos grandes problemas de muitos sistemas industriais e equipamentos pesados é a inércia de sua carga. No entanto, com um redutor planetário, podemos perceber que ela cai drasticamente, pois além de elevarem o torque, os redutores planetários promovem uma melhor distribuição do sistema de transmissão.

Dessa forma, os procedimentos são facilitados e é experimentado um aumento da performance, além da conquista de maior controle. A adoção do redutor planetário, portanto, se mostra especialmente útil e eficiente. Quando unida à escolha de bons equipamentos, o resultado supera expectativas e pode diferenciar o seu negócio.

Pronto, agora você já aprendeu bastante sobre o assunto! Não se esqueça de que, para escolher um redutor planetário, é preciso considerar a potência requerida da máquina ou usar a potência do motor. Para o cálculo, vale ressaltar que a relação do redutor de velocidade deve ser igual à velocidade do motor redutor dividido pela velocidade final de saída.

Gostou de aprender o que é e como funciona um redutor planetário? Quer aumentar os seus conhecimentos ainda mais? Então, confira o nosso outro post que fala sobre a lubrificação de acoplamentos!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 0 / 5. Nº de avaliações: 0

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.