sensor de temperatura

Sensor de temperatura: aprenda tudo sobre e quais seus tipos

O sensor de temperatura é uma tecnologia de monitoramento de equipamentos utilizada para identificar variações de temperatura em equipamentos industriais. Os dados emitidos pelo sensor são analisados e, então, é possível avaliar o funcionamento do equipamento, planejar a execução de reparos e aumentar o Índice de Disponibilidade do sistema.

Frente ao constante aumento da concorrência, por um lugar no mercado, indústrias de todos os portes têm feito uso das mais diversas estratégias para manter sua posição e seguir crescendo, atraindo novos clientes.

Entre essas estratégias, o uso adequado de tecnologias de monitoramento, como o sensor de temperatura, vem ganhando destaque, isso graças a seu desempenho acima da média.

Por meio dos chamados sensores, o time, responsável pela manutenção industrial tem a possibilidade de acompanhar as máquinas e os equipamentos, e verificar seu estado em tempo real, o que eleva a vida útil das máquinas em questão e permite que sejam utilizadas por mais tempo, o que se reflete de modo positivo no caixa da empresa.

Você gostaria de saber mais a respeito do sensor de temperatura? Leia o artigo e descubra seus principais tipos e benefícios!

O que é um sensor de temperatura? Como ele funciona?

Para compreender adequadamente cada tipo de sensor de temperatura e escolher qual deles atende melhor suas necessidades, é importante entender o que é o sensor em si, como ele funciona e qual a sua função.

De uma forma bem resumida, os sensores de temperatura, que também chamados de sondas de temperatura, são dispositivos criados para identificar e medir, de forma precisa, variações de temperatura.

Para ser considerado um sensor de temperatura, o equipamento precisa conseguir tais variações e então transformá-las em tipo de sinal elétrico, que pode ser analisado e interpretado por um operador.

Ao interpretar esse sinal, o técnico em questão tem a possibilidade de avaliar o estado do equipamento e assim verificar se ele está funcionando corretamente. Caso algum erro seja identificado, ele pode intervir e resolver o problema antes que ele se torne mais sério, acarretando algum tipo de prejuízo.

Portanto, o sensor é um importante aliado da equipe de manutenção, e tem o potencial de otimizar seus resultados.

Quais os principais tipos de sensores de temperatura?

Existem diversos tipos de indústria, e, para cada um deles, existe uma variedade de maquinário indicado. Do mesmo modo, não existe uma única solução em sensores, eles podem ser divididos em categorias distintas. Tal variedade permite que todas as indústrias, independentemente de sua área de atuação, façam uso da tecnologia.

Agora que você sabe o que é um sensor de temperatura, e entende como ele funciona, continue a leitura e conheça os modelos mais utilizados atualmente!

Sensores termopares

Considerados altamente precisos e sensíveis, os sensores termopares têm o potencial de detectar até mesmo as menores variações na temperatura ambiente, o que faz deles um tipo de dispositivo eficiente e confiável.

O equipamento pode ser descrito como um par de fios metálicos, de propriedades distintas, conectados a uma extremidade. O par de fios metálicos cria uma diferença na tensão termoelétrica entre suas pontas, indicando assim a variação na temperatura entre as partes.

Essa diferença de variação deve ser enviada até um computador, e então analisada por um software que indicará a temperatura do item analisado.

Dada sua confiabilidade e ampla faixa de medição de temperaturas, os sensores termopares costumam ser bastante utilizados. É necessário levar em consideração, porém, que, caso utilizado de forma ininterrupta por longos períodos, ele pode apresentar falhas. Além disso, a corrosão pode afetar esse sensor, reduzindo assim sua precisão.

Sensor de temperatura de resistência (RTD)

O RTD, ou sensor de temperatura e resistência, pode ser descrito como um rolamento de fios, geralmente de platina que, quando aquecidos, indicam variações na temperatura ambiente.

Embora, devido às suas propriedades especiais, a platina seja o material mais indicado para produzir este sensor, ele também pode ser criado utilizando cobre ou níquel. Nesse caso, porém, a faixa de alcance, de sua medição de temperatura, acaba sendo reduzida.

Via de regra, o sensor de temperatura tem a aparência de um fio alongado, com a forma de uma mola. Eles são envolvidos por algum tipo de material isolador, e alocados em um recipiente de metal.

Entre as principais vantagens do sensor RTD, podemos citar sua capacidade que permanece estável por longos períodos. Além disso, graças a seus componentes, o dispositivo pode ser calibrado com facilidade, e tem a capacidade de medir a temperatura com alta precisão.

É preciso levar em consideração, porém, que o RTD trabalha com níveis mais baixos de temperatura. Seu preço inicial, mais elevado, também pode ser visto como uma desvantagem.

Sensor de temperatura termistor

Os sensores de temperatura termistores são considerados extremamente sensíveis às variações de temperatura. Apesar deste fato, eles só têm a capacidade de trabalhar com um nível de temperatura limitado, o que pode reduzir um pouco seus benefícios.

O dispositivo pode ser descrito como um semicondutor, cujos limites de resistência elétrica são equivalentes a temperatura. É válido ressaltar que os sensores termistores podem ser encontrados em duas categorias diferentes.

Termistor com coeficiente de temperatura negativo (NTC)

Neste modelo, a resistência do dispositivo é reduzida, de forma não linear, conforme a temperatura, a qual ele está exposto, aumenta.

Termistor com coeficiente de temperatura positivo (PTC)

O termistor com coeficiente de temperatura positivo, por sua vez, tem sua resistência elevada conforme a temperatura, que ele deve medir, cresce.

Um dos principais benefícios, auferidos pelos termistores, é o seu elevado grau de precisão. O dispositivo ainda é pequeno e durável, o que facilita sua utilização. Apesar destas vantagens, o dispositivo não pode ser utilizado para medir temperaturas demasiadamente elevadas, o que pode reduzir sua área de implementação.

O que considerar antes de escolher o sensor de temperatura

A verdade que cada tipo de indústria tem suas demandas e características próprias, de modo que mesmo um dispositivo que otimizou a operação de um negócio, pode não ser adequado a operação de outra indústria. Por esse motivo, é importante que alguns fatores sejam devidamente avaliados na hora de escolher o sensor de temperatura ideal.

Levando este fato em consideração, separamos algumas informações que o time de manutenção, em sua indústria, deve analisar, antes de optar por um dispositivo específico.

Continue a leitura e tenha acesso a esse conhecimento!

Nível de precisão do sensor

O nível de precisão de um sensor de temperatura pode ser descrito como a capacidade dele em mensurar a tempura. Quanto mais perto o valor, identificado pelo sensor, se aproximar da temperatura real que está sendo medida, mais preciso o dispositivo é.

Essa função é importante para todos os tipos de indústrias, mas é necessário reconhecer que companhias que trabalham com processos mais complexos, que precisam seguir padrões muito rigorosos de temperatura, devem optar por sensores mais precisos.

Dentre os diversos tipos de sensor de temperatura, dois deles, conhecidos por seus elevados níveis de precisão, são os mais indicados:

  • sensor de temperatura de resistência (RTD);
  • termistor com coeficiente de temperatura negativo (NTC).

Amplitude de suas aplicações

A amplitude de aplicações está diretamente relacionada à capacidade total de alcance do sensor, ou seja, ao nível máximo de temperatura, ao qual ele pode ser exposto, sem ser danificado ou se tornar menos preciso em sua função.

Se pensarmos com calma nos diversos campos de atuação de indústrias, e nos diferentes tipos de produtos que elas produzem, não é difícil chegar a conclusão de que algumas operações tendem a trabalhar com níveis de calor muito altos. O que acaba criando ambientes em que apenas dispositivos mais resistentes podem ser adotados.

Felizmente, existem sensores voltados para esse tipo de negócio! Os mais alinhados para essa operação, capazes de medir temperaturas que superam os 800°C, são os sensores termopares.

Facilidade de calibração

A facilidade de calibração aponta o quão simples é a tarefa de ajustar o sinal, enviado pelo sensor, ao sistema que tem a função de interpretá-lo. Característica esta depende da estabilidade do sinal, produzido pelo dispositivo.

Uma vez que, uma calibração ágil abre espaço para que os dados, apurados pelo sensor, sejam enviados e analisados mais rapidamente, não é um exagero dizer que esse é um dos fatores mais importantes na hora de escolher um sensor de temperatura, principalmente para indústrias que precisam acessar essas informações com mais velocidade.

Neste contexto, o termistor com coeficiente de temperatura negativo (NTC), surge como a opção mais eficiente, ao menos até que as temperaturas alcancem os 300°C.

Repetibilidade de leitura

De um modo simples e resumido, podemos descrever a repetibilidade de leitura como a capacidade de um sensor de manter a precisão de sua leitura ao longo do tempo. É importante levar em consideração que fatores que como ruídos, vibrações e até mesmo a própria temperatura, dependendo de sua intensidade, podem afetar essa precisão.

Obviamente, os sensores têm evoluído e se tornado mais precisos. Atualmente, existem dois tipos de sensores muito eficazes nesse sentido. São eles o termistor com coeficiente de temperatura negativo (NTC) e o sensor de temperatura de resistência (RTD).

Como utilizar de forma adequada um sensor de temperatura?

Ao fazer uso desse tipo de sensor, o time de manutenção tem a pode verificar de maneira otimizadas as condições de temperatura das peças, e componentes, das máquinas e equipamentos industriais que a indústria utiliza diariamente em sua operação.

Esta verificação pode ser feita manualmente, basta que fios sejam conectados aos sensores, fazendo a ligação entre eles e um computador. Atualmente, porém, o monitoramento remoto vem ganhando mais espaço, graças a sua comodidade e a precisão que ele oferece.

Neste tipo de monitoramento, os sensores enviam as informações, apuradas em sua operação, diretamente para computadores por meio de redes sem fio. O que permite que o maquinário industrial seja monitorado 24 horas por dia, e ainda elimina os riscos de uma verificação manual, na qual o técnico precisa ter um contato direto com a máquina em questão.

Agora que você entende o que é o sensor de temperatura, que tal receber mais informações úteis, como essas? Assine a nossa newsletter e não deixe de receber nenhum conteúdo relevante para você e para sua indústria!

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 4.3 / 5. Nº de avaliações: 6

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.