Tipos de Correia

Conheça 5 tipos de correia e saiba qual escolher

Conhecer todos os tipos de correia que existem na indústria é essencial para tomar as melhores decisões em sua operação. Elas são itens considerados bem antigos, tendo sua origem na Revolução Industrial. Diante da alta necessidade de produção rápida, em alta escala e eficientes, elas se tornaram amplamente populares.

Dentro do segmento atual, as correias fazem a diferença no funcionamento correto de máquinas e equipamentos. São opções extremamente flexíveis, fabricadas na maioria das vezes em borracha maleável e podem ser compostas por diferentes formas e materiais que são responsáveis pela transmissão de rotação entre dois eixos paralelos.

Quer saber mais? Vamos mostrar neste artigo quais são os principais tipos de correia e como tomar a decisão conforme as suas necessidades operacionais. Acompanhe!

1. Correias em V

As correias em V são consideradas as pioneiras na história do mercado de correias industriais. Seu nome faz alusão ao formato em V e, em função disso, o contra lado descansa sob pressão e impede que a correia acabe deslizando.

Esse tipo de correia funciona em motores e gira suas polias no momento em que passam de duas, no entanto, pode se estender até quatro delas. Além disso, as correias em V atuam com maior esforço, e isso permite a variação de rotação entre 1.000 e 7.000 rpm.

Por conta disso, ela é feita com materiais mais resistentes. É um dos modelos de correia que mais contribuem com o desempenho e a performance dentro de um sistema de transmissão de potência. Costumam ser simples de instalar e asseguram uma transmissão silenciosa e limpa.

2. Sincronizadas

Já as correias sincronizadas ou sincronizadoras são indicadas no momento de fazer a transmissão de movimento e potência entre um eixo motor e um eixo movido ou polia. Elas apresentam dentes que se alinham de maneira exata nas ranhuras da polia sincronizadora.

O processo de transmissão de potência ou do torque pela correia sincronizada é feito de forma que os dentes da correia não saiam de dentro dos canais da polia dentada. Diferentemente de uma correia micro V, as sincronizadas não usam atrito.

3. Dentadas

Esse tipo de correia sincronizadora não depende do atrito para fazer a transmissão torque ou potência para uma polia. Dessa forma, a correia dentada se encaixa perfeitamente nos canais da roda dentada e permite a velocidade de maneira angular e ao mesmo tempo constante sem fluência ou deslizamento.

A transmissão de torque ou potência pelas correias dentadas é feita de maneira que os dentes da correia não saiam dos limites dos canais da roda dentada. Em função disso, essas correias podem ser denominadas como correia de distribuição ou correia sincronizadora.

Elas movimentam as polias do virabrequim e do comando de válvulas e fazem a sincronização das válvulas em relação aos pistões, enquanto o virabrequim fica responsável pela transferência de força do motor até as rodas e o comando que envolve as válvulas pelo fluxo dos gases no interior do cilindro.

4. Transportadoras e elevadoras

O papel das correias transportadoras é transportar um material de um ponto até outro, facilitando de modo geral o fluxo contínuo do processo. Elas são aplicadas no transporte inclinado, vertical e horizontal. Elas são equipamentos para transporte ou movimentação de materiais a granel por meio de uma correia contínua que também é chamada de esteira transportadora, que faz o deslocamento sobre roletes e tambores.

Em resumo, consistem em dois tambores que movimentam uma superfície com o objetivo de facilitar o transporte. Já as correias elevadoras são responsáveis pela elevação de grãos por meio da utilização de canecas, e isso permite uma grande resistência a vários tipos de tensões, flexões e deformidade dimensional.

A correia elevadora precisa ter uma alta resistência quando se trata da fixação dos parafusos que são responsáveis por manter a caneca presa e manter a mesma resistência em relação às necessidades de expansão dos parafusos correspondentes.

Normalmente, a correia elevadora está disponível em diversas séries de nylon ou poliéster e possui altas tensões de ruptura que causam tensões de largura igualmente altas. Com isso, mantém-se a capacidade da correia elevadora de manusear cada uma das condições de carga.

Como resultado, esse tipo de produto passa a ser altamente indicado para uso na indústria, com destaque para o segmento de cimento, produtos em pó, granulados finos, entre outros.

5. Planas

As correias planas são muito usadas no mercado industrial para transmitir a força em máquinas. São o modelo mais simples entre as opções de correias disponíveis e trabalham com grandes unidades de força e rotação. No entanto, torna-se fundamental um alinhamento de polias para que fique garantido que o sistema não vai se desencaixar durante o processo.

Isso porque, com sua falta de bordas, é indispensável manter seu local em casos de desalinhamento, além de polias especiais com centralizadores. O alinhamento da polia tende a ser muito importante para as correias planas. O que acontece é que o rastreamento da correia funciona melhor e acaba coroando pelo menos uma polia, na maioria das vezes é a maior.

As correias planas acabam perdoando o desalinhamento, porém, o alinhamento correto prolonga a vida útil da correia. Nesse contexto, diferentes padrões de superfície de correia plana conseguem se encaixar a vários requisitos no processo de transmissão.

Cuidados com os diferentes tipos de correia industriais

Existem alguns fatores que interferem diretamente na escolha da correia industrial. Além da sua função, é preciso avaliar a frequência da necessidade de manutenção e se isso vai ser um problema em seu orçamento. Para evitar que isso aconteça, um bom planejamento faz muita diferença na hora de prolongar a vida útil do item e potencializar o seu desempenho.

Entre os principais cuidados estão o monitoramento constante por meio de um calendário de atividades. Essa é uma excelente forma de perceber falhas ou infiltrações de materiais no equipamento. As substituições quando necessárias em peças como emendas de correia, motores e raspadores devem ser feitas sempre o mais rápido possível e seguindo as orientações de segurança do fabricante.

Agora ficou claro quais tipos de correia existem na indústria e suas funções nas operações. Então, é fundamental que ao escolher a melhor opção, você conte com atendimento personalizado para entender o que será necessário fazer caso a correia apresente problemas, como montar um calendário de manutenção eficiente e qual marca mais se encaixa com as necessidades em longo prazo.

Gostou das informações do artigo? Então deixe o seu comentário e nos conte se já teve alguma experiência negativa com correias industriais.

Avalie e classifique este artigo.

Nota média: 5 / 5. Nº de avaliações: 1

Compartilhe este artigo!

Quer receber conteúdos como esses gratuitamente?

Preencha o formulário e cadastre-se para receber os nossos conteúdos exclusivos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.